Últimas de Entrevistas

Fumaxa: “Precisava de beats meus porque ninguém me dava”

Por Tiago Firmino Fotografia: Eddie Pipocas

O produtor Fumaxa tem 28 anos e é um dos produtores de hip hop do momento em Portugal. A BANTUMEN foi visitar o estúdio onde nascem as suas ideias e beats, em Mem Martins, Portugal. Tivemos direito a ouvir beats que ainda não saíram, falou-nos um pouco do começo da carreira e das suas origens africanas.

Desde muito cedo que Fumaxa está ligado à música, por causa da irmã e do irmão que o obrigavam a ouvir. Com o avançar da idade e com a passagem pelo o mundo do skate, a presença da música na vida do produtor foi crescendo de forma natural. “Quando era mais novo era do mundo do skate e por causa disso ouvia muita música metal, punk e rock”, disse-nos.

A apresentação ao hip hop português foi feita por um primo, Nicandro, que o mostrou artistas como Xeg, Valete, Sam The Kid, Chullage. A cultura começou a entranhar e, entretanto, passou a dar-se mais com um grupo da mesma zona, os Young Thugz, e a fazer música com eles.

 

Mas a vida nem sempre corre de feição e enquanto dava os primeiros passos na música, Fumaxa teve de mudar-se para Londres, Inglaterra. Foi em terras de sua majestade que o produtor começou a levar a música mais a sério e gravou mixtapes e alguns beats. A produção nasceu com alguma naturalidade, quando Fumaxa precisava de instrumentais originais para “cuspir” as suas rimas.

“Precisava de beats meus porque ninguém mos dava, só guardava beats da net. Então comecei a brincar com a produção. Comecei a ouvir bastante hip hop de Nova Iorque. Inspirei-me em grupos como Wu-Tang e G-Unit. Comecei assim, a absorver muita música.”

A primeira MPC foi comprada em 2010 e, apesar de acreditar que não precisava, seguiu o conselho do seu amigo Marrocan e ainda hoje está agradecido. O investimento feito no aparelho fez com que as rimas fossem postas de lado e a dedicação à produção fosse 100% do seu tempo.

Kromo di Gueto, Marrocan e Bambino foram os primeiros a cuspir num beat seu e, pela primeira vez, o fizeram reconhecer que estava a trabalhar com artistas a sério. Fizz foi outro artista que, segundo Fumaxa, serviu de pilar para a sua carreira porque sempre o apoiou. Juntos, trabalharam diversas vezes, inclusive lançaram uma beatape, com seis instrumentais de cada um.

Fumaxa na sua zona, Mem Martins

Ao chegar a Portugal, começou a cimentar o trabalho desenvolvido em Londres e trabalhou com artistas como os Young Thugz, Mortex, Landim, entre outros. Na produção apenas arrisca no hip hop, e os instrumentais que vai criando só saiem do estúdio se o produtor os “sentir”.

“Eu samplo aquilo que gostar. Se ouvir duas ou três notas,que consiga colocar nos pads do MPC, faço-o. Não me interessa se é de hoje ou de há 100 anos.”

Apesar de não se lembrar de todos os instrumentais que produziu, não se esquece de todos os beats em que colocou o sabor africano. Raízes da Guiné-Bissau, que herdou da mãe e do pai.

Faz play e vê a entrevista completa de Fumaxa, produtor de singles como “We Don’t Play“, com Chyna.

 

Subscreve a nossa NEWSLETTER semanal

Tiago Firmino

Tiago Firmino

Nascido e criado na Margem Sul do Rio Tejo, tenho formação profissional em Jornalismo, na ETIC, em Lisboa. Com 22 anos, tenho mil e um objectivos, mas o dia só tem 24 horas.

Artigos relacionados

%d bloggers like this: