Está a ver o nome daquela ex-namorada que na altura amava até ao infinito e que agora não sabe como esconder a tatuagem que fez em sua homenagem? Nós sabemos. Laser é a resposta.

Hoje em dia é possível eliminar tatuagens de qualquer tamanho e de qualquer lugar do corpo sem deixar cicatrizes. 

Os aparelhos de laser das clínicas dermatológicas emitem feixes de luz que se transformam em calor e quebram a tinta em micropartículas que são eliminadas pelo organismo. Ao longo das sessões, os traços vão ficando mais claros e finos, até o desaparecimento do desenho.

O procedimento também permite apagar ou suavizar detalhes, com o objectivo de refazer os traços. A quantidade de sessões depende das características da tatuagem, como cor, tamanho e profundidade da pigmentação. O intervalo necessário entre sessões é de 30 a 45 dias, levando em conta o tempo de cicatrização da pele.

As cores são o problema, já que apenas a remoção de tatuagens pretas permite resultados 100% satisfatórios. Isso apesar da constante evolução dos equipamentos: já existem lasers que, em vez de provocarem reacções fototérmicas (quando a luz se transforma em calor) que, geram reacções fotoacústicas (se transforma em som). “Desenhos em cores deixam sombras, porque os pigmentos coloridos penetram profundamente na pele e tingem camadas que as ondas luminosas dos aparelhos não conseguem alcançar”, diz a cosmetóloga Suelli Domingues.

O procedimento pode causar algum desconforto ou até mesmo alguma dor por causa dos choques provocados pelos disparos do aparelho, mas a sensibilidade diminui com a aplicação de cremes anestésicos.

Se quer fazer uma tatuagem, não se esqueça: avalie bem o que vai desenhar e se de facto querer conviver com essa marca na sua pele “para sempre“ ou o custo da remoção pode “doer” na carteira.