Há uma nova corrente de artistas na internet que converteu tudo aquilo que é obsessão no tema principal das suas obras: modelos, tacões, logótipos… A “fan art” não tem limites. As fontes de inspiração das novas gerações são cada vez menos convencionais e por isso mostramo-vos aqui aqueles que fizeram das suas homenagens na internet o seu melhor cartão de visita.

Swoosh Art
Swoosh Art

A internet fez da arte uma disciplina cada vez mais livre de arquétipos e convencionalismos. As novas gerações já não sentem essa constante pressão por agradar a tudo e a todos e por isso, agora, são os nossos próprios gostos e os nossos ídolos que determinam a nossa forma de ser e a maneira como comunicamos. É deste pensamento que nasce a ideia de “fan art”: uma forma criativa de prestar homenagem a essa personagem – animal ou objecto – por que tanto canalizamos a nossa obsessão. Antes bastava forrar os cadernos do liceu com fotografias e capas de revistas, mas agora, com o aparecimento das redes sociais, este fenómeno foi bem mais longe. Mostramos-te alguns dos artistas que fizeram da admiração e obsessão o valor principal da sua obra.

Artlexa Chung
Segundo o Business of Fashion (um dos sites mais importantes da indústria da moda), Alexa Chung é uma das pessoas mais influentes da moda. Com o seu ar de Jane Birkin, a modelo e apresentadora arrecadou um verdadeiro grupo de fãs devotos ao seu estilo e poderíamos até dizer que fez de tudo: desde posar para alguns dos fotógrafos mais famosos do mundo, a ter o seu próprio programa na MTV e publicar um livro. Agora, um admirador anónimo criou uma conta no Instagram com o nome de @artlexa chung onde compara as fotografias da it girl com algumas das obras mais emblemáticas da história da arte. Uma espécie de prova de que Alexa continuaria a ser a Alexa independentemente do ano ou do lugar onde esteja.

@artlexachung

"Girl in bed", Lucian Freud (1952) / Alexa Chung para Tommy Hilfiger.
“Girl in bed”, Lucian Freud (1952) / Alexa Chung para Tommy Hilfiger.
"Girl with a hoop", Pierre-Auguste Renoir (1885) / Alexa Chung para a AG Jeans, por Angelo Pennetta.
“Girl with a hoop”, Pierre-Auguste Renoir (1885) / Alexa Chung para a AG Jeans, por Angelo Pennetta.

Bess NYC
Alguma vez te questionaste qual é a linha que separa a moda da pornografia? O artista e desenhador de jóias Douglas Abraham sim, e a verdade é que não acredita que possam haver assim tantas diferenças. O nova-iorquino converteu-se ao novo fenómeno do Instagram graças às suas colagens (repletas de violência e homoerotismo) controversas e às campanhas de moda do momento. Por entre a sua “obra” podemos ver raridades como Justin Bieber sodomizado em calções ou Daria Webory a atropelar pessoas pela rua, vestida de Céline. Alguns dos personagens com mais repercussão na indústria – como por exemplo Riccardo Tisci e Binx Walton – assumiram-se fãs da crua e satírica obra de Abraham e a maioria das marcas luxuosas estão (secretamente) roídinhas para que lhes dediquem um post.
@bessnyc4

@bessnyc4
@bessnyc4
@bessnyc4
@bessnyc4

MS NINA
Esta artista tem uma obsessão pela purpurina, pelas divas, pelo hip hop e pelos anos 90. MS NINA transporta-nos a um universo de fantasia e feminidade em que Marilyn Monroe se veste de Jeremy Scott, Kate Moss tem o cabelo cor de rosa e brincos de ouro (um bocado parolos), Tupac Shakur está rodeado de borboletas e arco-íris. Na era da internet não há melhor forma de mostrar admiração aos nossos artistas favoritos do que inundar as suas fotografias com emoticons e é mesmo isso que esta artista pretende fazer, com os seus “altares” de estilo adolescente dedicados a alguns dos ícones culturais mais emblemáticos dos últimos tempos. Se MS NINA pega numa fotografia tua e pinta o teu cabelo às cores, então é porque és definitivamente alguém.
@msninaojorgeline

quando-a-arte-se-rende-ao-fenomeno-fan-body-image-1429009433

@msninaojorgeline
@msninaojorgeline

Swoosh Art
A Nike já não é apenas uma marca: é toda uma filosofia de vida que conta com milhões de seguidores em todo o mundo e o seu logo é mais conhecido que sei lá bem o quê. Foi exactamente isto que muito provavelmente Davide Bedoni pensou quando criou a Swoosh Art: um projecto pessoal em que o director de moda italiano introduz o famoso swoosh – palavra em inglês que significa logo – em algumas das obras mais importantes de arte clássica, através do Tumblr. A logomania está por toda a parte e temos a certeza de que se Bouguereau usasse ténis em 2015, as suas obras seriam bastante parecidas com as versões de Bedoni.
Swoosh Art

Swoosh Art
Swoosh Art
Swoosh Art
Swoosh Art

#heelconcept
A moda é muito mais que adolescentes, malas caras e disputas para sentar-se na primeira fila: é uma arte de interpretações variadas com normas cada vez mais questionáveis. Há uns meses, um jovem, Misty Pollen, fotografou o seu pé apoiado numa escultura de bronze e publicou-a no Instagram com a hashtag #heelconcept [algo como o “conceito do tacão”]. Este acto tão trivial desencadeou uma tendência a que os amantes de sapatos “mais extremos” decidiram unir-se. Utilizam fruta, bolas, garrafas de água, telemóveis e até carne crua! Os fetichistas dos tacões não têm limites.
@m.sty

@yuyu17er
@yuyu17er

@m.sty

Fonte:  i-D.