Sente que os mosquitos só o atacam a si? Pode ser devido ao seus genes.

Esqueça aquelas vampiras bem gostosas que está habituado a ver nos filmes. Os únicos sugadores que temos na vida real são os mosquitos. Este pequeninos seres a quem involuntariamente doamos cerca de 0,01 mililitros de sangue por picada, são o nosso inimigo número um em climas quentes, como em Angola.

Na melhor das hipóteses sobrevive com uma borbulha e muita comichão. Na pior, pode contrair qualquer um dos vírus debilitantes existentes. Este é um dos motivos para evitar os mosquitos. Mas porque algumas pessoas são tipo ímanes de mosquitos e o que fazer em relação a isto?

Este tema tem sido alvo de imensas pesquisas por parte dos investigadores mas é difícil ter uma resposta concreta. As teorias populares dizem que se tem “sangue doce”, mas estudos provam que nada tem a ver com a nossa alimentação.

A razão porque algumas pessoas são mais atrativas aos mosquitos reside provavelmente nos nossos genes e nos dos mosquitos, que evoluíram connosco. Sabe-se que os mosquitos têm evoluído para aprimorar a sua resistência em relação ao dióxido de carbono que exalamos e serem capazes de distinguirem a nossa temperatura corporal.

Talvez o maior factor que contribua para que sejamos uma refeição de mosquito seja o nosso cheiro — não só o perfume ou desodorantes que usamos mas os micróbios que vivem na nossa pele e os odores naturais que produzimos, estes são da responsabilidade dos nossos genes.

Num estudo recente, comparou-se a atração que os mosquitos tinham, entre irmãos e irmãos gémeos. Foi uma forma elegante de comparar dois graus de parentesco genético, irmão normais e gémeos idênticos, que serão 100 porcento geneticamente idênticos.
O estudo mostrou que pessoas que são 100 porcento geneticamente idênticas têm maior probabilidade de ter o mesmo nível de atractividade, do que pessoas que não são identicamente relacionadas.
Isto serviu para que agora os cientistas estejam a isolar o gene que é responsável pelos cheiros específicos que atraem os mosquitos — parece simples, mas é algo complicadíssimo tendo em conta que não há uma categoria de genes para odores.

O incentivo para que estes estudos sigam em frente e se consiga isolar os componentes do nosso genoma que codificam esta atractividade por parte dos mosquitos é alto, pois os mosquitos são responsáveis pela transmissão de doenças como a febre amarela, a malária e o dengue, que matam milhões de pessoas em todo o mundo.

Além de se pulverizar com repelente específico para mosquitos, outra forma de prevenir a picada destes é impedir simplesmente a sua reprodução.
Os mosquitos reproduzem-se colocando os seus ovos em águas paradas especialmente em climas quentes, nascem e amadurecem em larvas e em cerca de uma semana são insetos.

Assim evite todo o tipo de águas paradas que possa ter em casa, desde vasos de plantas, a banheiras, coberturas e calhas dos telhados. Ao destruir estes criadores de mosquitos está a impedir que se espalhem estas doenças perigosas, principalmente nas regiões tropicais.