Padeço da sensação de que a disponibilidade sexual dos homens é maior do que a das mulheres.  Assim, este texto é um apelo.

Um apelo a nós mulheres e ao nosso desejo sexual.

Ora bem: dêem-se mais. Temam menos porque a vergonha não garante orgasmos. E o que nós queremos é sexo bom!

Não quero com isto dizer que devemos aceitar tudo o que eles nos sugerem, mas por favor… não é aquela posição de malabarista que nos vai adoecer. Experimentem o “canguru perneta”, sei lá. “Ah, mas vou ficar com dores!”. A dor do dia seguinte conjuga sempre um “ai” ao sentar com o sorriso tímido da lembrança do “bem bom” quando nos queremos levantar da cadeira.

Não nos esqueçamos que o atrevimento também pode surgir da nossa parte. Cheguem-se à frente. Ou fiquem de lado, como entenderem. Mas levem isto para sempre convosco: nem todo o fubá é demasiado para o vosso tico-tico.

Na minha cabeça a vontade de vivenciar experiências inéditas “na cama” tem um índice menos elevado no sexo feminino e isso pode dever-se a vários factores que não vou elencar aqui. Falamos sobre isso depois, sim?

Dispam-se e entreguem-se!