O Supremo Tribunal dos EUA determinou esta sexta-feira, 26, que a Constituição americana garante a todos os seus cidadãos o direito de contrair matrimónio, avança o jornal português Público. O casamento gay é, a partir desta sexta-feira, legal em todos os estados dos daquele país.

Este é um dia que ficará, sem dúvida, na História. Foram cinco votos favoráveis contra quatro. O juíz conservador Anthony Kennedy juntou-se aos quatro juízes escolhidos pelos Democratas e votou a favor do casamento gay em todos os estados norte-americanos.

“Nenhuma união é mais profunda que o casamento, porque incorpora os mais altos ideais do amor, da fidelidade, da devoção, do sacrifício e da família”, escreveu Kennedy em nome do tribunal, referindo que os casais homossexuais “não podem ser excluídos de uma das mais antigas instituições da civilização” e que a Constituição garante a “igualdade de todos os cidadãos aos olhos da lei”.

Antonin Scalia, um dos juízes do tribunal que votou contra, também divulgou a sua posição, escrevendo que esta decisão é uma “ameaça à democracia americana”. John Roberts, presidente do Supremo mostrou-se igualmente decepcionado com o resultado da votação.

A Casa Branca alterou a fotografia de perfil das suas contas de Twitter e Facebook, mostrando o histórico edifício com as várias cores do arco-íris, símbolo LGBT. Nas redes sociais, milhões são as figuras públicas, incluindo Hillary Clinton, e anónimos defensores dos direitos LGBT, um pouco por todo o mundo, que se juntaram à celebração.