Desde que chegaram ao mercado que as ofertas da Samsung no campo dos smartphones de topo estão constantemente a ser comparadas com a concorrência.

As provas têm sido duras, mas os Galaxy têm conseguido dar conta do recado e manter-se na frente de todos os equipamentos. O derradeiro teste foi agora realizado e mais uma vez o Galaxy S6 esteve na frente, ficando com o título de smartphone mais rápido da actualidade.

O teste foi realizado pelo reconhecido site Toms Guide e colocou frente a frente algumas das máquinas mais emblemáticas e potentes da actualidade.

S6_2-720x473

A motivação para este comparativo era descobrir qual o smartphone mais rápido da actualidade e eleger aquele que conseguiria vencer na maioria das diferentes categorias a que foram testados.

As máquinas escolhidas envolveram os principais fabricantes que estão no mercado e para cada um deles as suas melhores máquinas. As escolhas eram óbvias e representam um leque do que de melhor existe.

Claro que as especificações de hardware contaram e muito, sendo apenas escolhidos os melhores ou aqueles que têm provas dadas.

Para comparar estas máquinas e assim eleger o mais rápido da actualidade os testes foram centrados nas funcionalidades padrão que podemos usar no dia-a-dia.

Os testes envolveram a abertura de um ficheiro PDF, o lançar da aplicação da máquina fotográfica, testes de utilização em jogos, a edição de vídeos e alguns testes padrão de benchmark.

Em cada um dos testes as máquinas competiram entre si e apenas os melhores tempos ou os valores mais satisfatórios foram registados, garantindo assim uma classificação mais justa e equilibrada.

Como seria esperado o Samsung Galaxy S6 ganhou na maioria das categorias, 6 em 9, tornando-se assim o smartphone mais rápido da actualidade, relegando para segundo plano outras máquinas que têm fama de serem o topo do que a tecnologia tem para oferecer.

S6_3-720x568

Em segundo lugar temos o também recente LG G4, que se conseguiu superar a alguma da concorrência que tem nome no mercado e que são tidos como máquinas a abater.

Para além do terceiro lugar do iPhone 6, que não deixa de ser estranho, temos também o fraco desempenho do flagship da Google, o Nexus 6, de quem se esperava muito mais.

Estes resultados são representativos do que o mercado tem agora para oferecer e também do que os fabricantes têm para propor aos consumidores.