Vamos lá falar de pêlos púbicos. Sim isso mesmo. Nos últimos anos, o pêlo púbico tem sido motivo de mudanças tão radicais quanto o desenho e confecção de uns jeans.

Para nós, homens, desabotoar umas calças ou saia e tirar a roupa interior de uma mulher, pode ser muito surpreendente. Podemos encontrar de tudo, desde um triângulozinho, a vaginas totalmente depiladas ou apenas aparadas nas margens, todas estas mostram um cuidado e manutenção pessoal. Devido a isto, a verdade é que acabamos por julgar o estilo que eles escolhem.

Agora parece que o corte de pêlos púbicos tem dado um novo “giro” e parece a tendência é justamente, não haver tendência. Como se observou numa coluna da escritora britânica, Kathy Lette: “Durante o Verão estava nadar na piscina de Parlamente Hill e explodiram mergulhos estranhos no lago (exclusivo) para senhoras em Hampstead. Foi então que observei algo que não via desde os anos 80: pêlos corporais.”
Lette diz ainda que assim que fez a sua descoberta, questionou as senhoras se tinham deixado a cera, os solários, as operações plásticas e todos aqueles requisitos comuns aos dias de hoje.

Independentemente dos comentários, a verdade é que na industria em que as mulheres são mais cobiçadas — pornografia — há depilações para todos os gostos. Muitas actrizes optam por manter a zona íntima ao natural, sem depilação, são opções.

Mas os pêlo púbicos não são os únicos a regressar, também os das axilas e pernas estão aí. Muitas mulheres estão a optar por descolorar o pêlo nestas áreas, em vez de os arrancar com cera ou com sessões a laser.

Vivemos em tempos de poder e igualdade como nunca antes na história. Não havia necessidade de termos experimentado a remoção artificial de pêlos no corpo — mesmo que no período metrosexual muitos homens o tenham feito — para saber que milhões de mulheres, por detrás do incansável desejo de se verem bem, serem aceites e desejadas, realizaram dolorosos sacrifícios e uma parte importante destas está farta de o fazer e não o quer voltar a fazer. Outras continuam a fazê-lo por gosto, ou como um acto de carinho para com os seus companheiros. O importante é que a decisão venha delas, nós vamos gostar delas na mesma.