Por norma as pessoas associam o consumo de vinho branco a refeições de peixe. Assim deve ser na maior parte dos casos, mas nem sempre. E mesmo quando é com peixe, deve saber escolher correctamente.

Aperitivo: Ligeiro, frutado e com pouco teor alcoólico. Um vinho feito com base na casta alentejana tradicional Roupeiro poderá ir aqui muito bem.

Mariscos cozidos e peixes delicados cozinhados na grelha: Para acompanhar toda a espécie de mariscos cozidos e peixes grelhados, tais como robalo, sargo, ferreira, solha ou linguado, escolha um branco jovem com fruta e acidez. 

vinho

Peixes gordos e Mariscos cozinhados de forma mais elaborada: Para pratos de peixes gordos, tais como atum, salmão, sardinha, truta, cherne, garoupa, raia, etc., grelhados ou assados no forno, bem como com mariscos grelhados, panados, com arroz, alho, cebola ou piri-piri, a escolha deve recair num vinho, um branco encorpado e intenso (eventualmente fermentado em madeira.

Peixes fumados: Para o salmão, o espadarte ou o bacalhau fumado e, também, para acompanhar as ostras ou o caviar, recomenda-se a escolha de um dos bons espumantes brancos brutos.

Aves assadas no forno: Acompanham bem com brancos encorpados (fermentados em madeira) e, também com um espumante branco bruto.

Queijos de cabra de sabor suave ou do tipo “chèvre”: A escolha adequada não é um tinto, mas sim um branco jovem e cheio de fruta.

Este é um texto Néctar dos Deuses.