A psicóloga Ana Maria Zampieri acompanhou a relação de quatro mil casais durante cinco anos e os resultados remetem àquela máxima “todo o mundo é corno, se não foi, vai ser”. Aparentemente, 60% dos casais passa por uma crise que termina com uma traição, de uma ou outra parte do casal ou até por ambos.

A frequência da infidelidade também é importante. A pesquisa indica que 23% dos homens afirmam ter sido sexualmente infiéis apenas uma vez, enquanto apenas 17% das mulheres admitiram agir da mesma forma. No entanto, 36% das mulheres e 33% dos homens disseram que infidelidade ocorreu de duas a cinco vezes e  que mais de 40% dos homens e mulheres admitiram trair com frequência.

De acordo com o The Huffington Post, veja alguns dos motivos que levam uma pessoa a trair:

Paixão antiga:

O reencontro com um amor antigo pode ter um efeito perigoso, principalmente nas mulheres. O estudo mostra que 32% das mulheres, quase um terço das entrevistadas, admitiram ter caído em tentação quando o assunto era ex-namorado, contra 21% dos homens.

Vingança:

Tem gente que acha que para se curar de uma traição só pagando na mesma moeda. Ou seja, traem o parceiro por causa da infidelidade que sofreram. 9% dos homens e 14% das mulheres admitiram ter tido relações com alguém para se ‘vingar’ do parceiro infiel.

Tédio sexual:

Quem não é bem servido em casa acaba por procurar noutro lugar. Pois é, segundo o estudo 71% dos homens contra 49% das mulheres infiéis afirmaram não estar muito felizes nos seus relacionamentos e admitiram curar a monotonia sexual recorrendo ao sexo com outra pessoa que não fosse a sua parceira.