Existem alguns tipos de comida que não se dão bem com a maioria dos vinhos. Estão neste caso os pratos que contém produtos muito ácidos (limão, laranja, vinagre), muito aromáticos (cominhos, estragão, cravinho) ou muito doces.

Tenha cuidado na utilização de ingredientes e condimentos que podem inibir a apreciação de um bom vinho.

Alho: Quando utilizado generosamente, afecta o vinho, anulando, com o seu cheiro intenso, o aroma delicado dos brancos e tornando os taninos dos tintos mais amargos e rudes.

Vinagre: Dada a sua elevadíssima acidez, o vinagre se deve usar em excesso. Os pratos tradicionalmente avinagrados, como os escabeches ou as cabidelas, irão sempre melhor com um vinho com um bom nível de acidez ou com um espumante bruto.

Agriões: Por vezes, utilizados nas saladas ou como acompanhamento de pratos de carne estufada, possuem ácido fórmico em quantidades elevadas que se mistura com os taninos dos tintos, multiplicando a sua adstringência.

Ovos: Ainda que pouco agressivos, são de difícil conciliação com os vinhos tintos.

Anchovas: Utilizadas frequentemente em canapés, como aperitivo, são capazes de destruir qualquer vinho. Para acompanhar anchovas, sugere-se um vinho jovem e com boa acidez, por exemplo um rosé seco, ou um espumante bruto.

Açúcar: É outro ingrediente que pode prejudicar o vinho. Por isso, para as sobremesas doces, há que escolher um vinho ainda mais doce, como um licoroso, por exemplo.

Sal: A comida muito salgada intensifica os taninos dos tintos, tornando o vinho adstringente e duro.

Embora, a conjugação vinho/comida não admitia regras rígidas, existem orientações básicas que contribuem significativamente para o sucesso de uma refeição.

As duas orientações mais importantes:

1. Conjugar comida ligeira com vinhos ligeiros e suaves e comida pesada com vinhos pesados e fortes;

2. Numa refeição, o vinho branco vem antes do tinto, o vinho seco antes do doce, o vinho ligeiro antes do poderoso. Claro está que existem excepções (é o caso do foie-gras, servido no início da refeição com um branco doce), mas que não invalidam o princípio geral.

Este é um artigo Néctar dos Deuses.