Quem avisa é a Organização Mundial de Saúde. Bacon, salsichas e chouriço não são propriamente alimentos saudáveis. Não pertencem a nenhum grupo da roda dos alimentos e só devem ser consumidos pontualmente, e de forma moderada. Tudo isto já se sabia.

Um estudo publicado a 22 de Outubro (e revelado esta segunda-feira) pela Organização Mundial de Saúde trouxe toda uma nova perspetiva sobre o assunto: estas carnes processadas, bem como a carne vermelha, passaram a estar na lista dos produtos potencialmente cancerígenas, associadas sobretudo ao cancro do colo-rectal.

prato_tabua_enchidos_nacionais

Como carne processada, o estudo refere-se a todo o tipo de carne que tenha sido salgada, curada, fermentada ou fumada, bem como outros processos que alterem o sabor ou tempo de preservação do alimento.

De acordo com nutricionistas, o problema não está só nas carnes processadas, mas em todos os alimentos que sofram este processo, como o salmão fumado. Todos devem ser evitados, pois “por serem fumados, estes alimentos desenvolvem compostos cancerígenos, que decompõem o próprio alimento”.

A Agência Internacional para a Pesquisa do Cancro divulgou um documento actualizado sobre este estudo onde classifica todo o tipo de carne processada como produtos cancerígenas do grupo 1, tal como o tabaco ou as bebida alcoólicas, ou seja, é garantidamente um produto cancerígeno para o ser humano.

enchidos_shutterstock_172823846

Já as carnes vermelhas, também referidas no mesmo estudo, são classificadas como alimento do grupo 2A, ou seja, pertencem ao grupo de alimentos que provavelmente são cancerígenos.

Se ainda assim não quiser deixar de comer carnes processadas por completo,consuma-as com limão já que, segundo a nutricionista, ajuda a diminuir a absorção dos compostos cancerígenas. Também as marinadas, em que deixamos a carne em vinho durante umas horas, são uma forma de contrariar tal risco, graças ao efeito antioxidante do vinho.

Embora individualmente o risco de desenvolver este cancro possa parecer pequeno, o risco aumenta com a quantidade de carne processada consumida, que é bastante comum e frequente em vários países. A nível global, o impacto é grande e bastante relevante, garantem os especialistas do grupo de trabalho da Agência Internacional para a Pesquisa do Cancro.