Está bem documentado de que o aquecimento global é uma das maiores ameaças da humanidade, devido ao aumento dos níveis do mar, inundações e secas. Agora um novo problema pode ser adicionado á lista — um colapso nas taxas de natalidade.

Pesquisas sugerem que, com o aumento das temperaturas, as pessoas podem ter menos apetite sexual. Ou, como relatado pelo National Bureau of Economic Research de forma mais delicada, a “frequência de coito” pode diminuir.

Uma das pesquisas revela que nove meses após um dia particularmente quente, as taxas de nascimento caiem significativamente, chegando a 0,7% menor do que após um dia frio. Isto indica que o elevar das temperaturas reduz a fertilidade, diminui o apetite para o coito ou ambos.

“Calor extremo leva a uma queda significativa dos nascimentos,” dizem os investigadores. “Temperaturas extremas podem afectar a frequência de coito. Pode afectar os níveis hormonais e os impulsos sexuais. Alternativamente, temperaturas elevadas podem adversamente afectar a saúde reprodutiva ou a qualidade do sémen no lado masculino e a ovulação no lado feminino.”

Assim, se pretendes controlar e evitar tais situações, não te esqueças das medidas a tomar, se todos poluirmos o menos possível, estamos a cuidar do planeta e da saúde do meio ambiente, consequentemente a melhorar a nossa saúde.