Um estudo do Hospital Clínic de Barcelona diz que as pessoas com personalidades com traços psicóticos têm mais sucesso a manter relações de longa duração.

O estudo foi efectuado com mil heterossexuais, homens e mulheres, com tendências psicóticas, como comportamentos neuróticos e transtornos obsessivo-compulsivos, para se perceber como estes atraem possíveis parceiros. Verificou-se que quanto mais extremas são essas características, mais relações têm durante a sua vida.

Verificou-se também que, os homens com traços de personalidade obsessivo-compulsivos têm mais sucesso em obter relações duradouras do que as mulheres com a mesma personalidade. Já as mulheres com personalidades neuróticas tinham maior probabilidade de encontrar um parceiro a longo termo, do que os homens com a mesma característica.

????????????????????????????????????????

Uma foto publicada por adicudz (@adicudz) a

“Da mesma forma que são egoístas, pouco cumpridores das tarefas, imprudentes e rebeldes, são também corajosos, temerários, independentes e autónomos — têm vidas frenéticas e entusiasmantes,” disse o responsável da investigação, Fernando Gutiérrez, à revista Scientific American. “Isto cativa muitas pessoas. E esta atracção também pode ter uma base evolutiva.” Embora o estudo seja considerado especulativo, devido à pequena amostra, sugere que estas características podem ser uma vantagem evolutiva que ajuda os humanos a sobreviver. 

No estudo foram tidos em conta os vários factores da vida dos participantes, o número de parceiros, de os filhos e o nível de rendimento e actividade profissional.

Faded/esgotado/????????✈️

Uma foto publicada por cage_onne (@cage_onne) a

As pessoas com certos traços patológicos não só têm mais parceiros, como têm mais filhos e rendimentos mais elevados.

Os participantes com comportamentos obsessivo-compulsivos ganham quase duas vezes mais do que as pessoas sem esse traço. E pode ser isso que também explica o seu sucesso nas relações, admite Gutiérrez. “De um ponto de vista Darwinista, dinheiro representa sobrevivência, segurança e recursos para os filhos,” afirma o investigador.