Os seres humanos desenvolveram-se num ambiente selvagem, onde predominava a lei do mais forte (bom, se calhar as coisas actualmente continuam mais ou menos iguais), e por isso, hoje em dia, ainda guardamos alguns instintos primários, como a defesa.

A explicação é de R. Douglas Fields, um investigador que explica por que temos explosões de raiva.

Fields indica que há nove campos sensíveis: integridade física, insulto, família, ambiente, sexo, ordem social, dinheiro, tribo e impedimento.

Sempre que nos sentimos ameaçados em qualquer um desses setores, é como se algo essencial para as nossas vidas estivesse em risco – e nosso cérebro prepara-se para a discussão para se defender.

É preciso sublinhar que a ‘explosão’’ não é consciente e acontece muito rápido. Porque a parte do cérebro responsável por estas respostas é a que deteta as ameaças e lhes responde da forma mais rápida possível (inclui por exemplo os reflexos).

Como controlar a raiva? Fields recomenda que se tente identificar o que lhe gera mais raiva para assim tentar inverter a tendência. Entender como as coisas funcionam é sempre é melhor primeiro passo a dar no caminho para as conseguir controlar e usar a seu favor.