O suíço Gianni Infantino foi eleito novo presidente da FIFA, ao vencer as eleições à segunda volta, sucedendo, assim, ao compatriota Joseph Blatter, que esteve 17 anos no cargo.

O secretário-geral da UEFA recebeu 114 votos, superando o xeque Salman bin Ebrahim al-Khalifa (88) e o príncipe jordano Ali bin al Hussein (4). O francês Jérôme Champagne não recolheu qualquer voto.

Infantil sucede assim a Joseph Blatter nos próximos três anos. “Não consigo exprimir os meus sentimentos. Foi uma jornada longa. Muita gente merece que a FIFA seja respeitada e que seja restaurada a boa imagem da instituição. Conto com todos para melhorar o futuro. Quero ser o presidente de todos vós, é essa a minha missão”, afirmou Infantini, candidato apoiado pela Federação Portuguesa de Futebol, no seu curto discurso de vitória.

Momentos antes da votação, o candidato sul-africano, Tokyo Sexwale, retirou a candidatura à presidência da organização.

“A minha campanha acabou agora. Coloco-me à disposição do futuro presidente”, disse o empresário sul-africano, de 62 anos, no fim do seu discurso, em Zurique, sede da FIFA, onde está a decorrer a votação para eleger o presidente do organismo regulador do futebol mundial.

Sexwale disse ainda que FIFA não pode continuar a ser um organismo de “divisão” e que a sua retirada vai ajudar a forjar uma unidade e revelou ainda que está à espera do dia em que a organização for liderada por uma mulher.