Seif al-Din Mohamed Mostafa, de 58 anos, viu ser-lhe ordenada uma detenção provisória, por oito dias, depois de ter desviado um avião da EgyptAir para a ilha de Chipre. O que parecia ser um atentado terrorista era afinal uma tentativa de rever a ex-mulher.

As razões que levaram Mostafa a cometer este acto ainda não foram devidamente esclarecidas, mas inicialmente tudo levava a crer tratar-se de um ataque terrorista. Mostafa convenceu a tripulação de que teria um cinto de explosivos para obrigar o piloto a desviar o A320, que fazia a ligação Alexandria-Cairo, pra o Chipre.

As autoridades rapidamente confirmaram que a informação era falsa e de que Mostafa é uma “pessoa psicologicamente instável”.

O pirata do ar exigiu que a ex-mulher, uma cipriota com a qual teve vários filhos, fosse ao aeroporto para lhe entregar uma carta. Seif al-Din Mohamed Mostafa viveu em Chipre até 1994.

As 55 pessoas que estavam a bordo da aeronave foram libertadas e estão todas bem.