Sete ex-detidos, soltos num indulto presidencial de Barack Obama, sabiam que estavam a visitar a Casa Branca para falar sobre as suas experiências com altos funcionários do governo dos EUA, mas foram surpreendidos quando o próprio presidente os recebeu para almoçar.

“De repente, abriram-se as porta e ouvimos, ‘Está tudo bem? Eu tenho um pouco de tempo livre, então vamos sair para comer'”, recordou Philip Emmert, que esteve detido durante 14 anos por vendas de metanfetaminas, em entrevista à revista Fusion.

Um almoço sem precedentes entre Barack Obama e sete ex-detidos por crimes não violentos. “Há dois meses, eu estava sentada numa célula e hoje estive a almoçar com o presidente” disse Angie Jenkins, condenada por 17 anos de prisão.

obama

O almoço com Obama foi o destaque da semana passada em Washington DC. No mesmo dia, Obama comutou as sentenças de mais 61 detidos. O foco renovado sobre indulto presidencial é mais uma das várias acções do presidente norte-americano que quer tirar o máximo de seus últimos dez meses no cargo. Até agora, Obama concedeu 248 clemências, mais do que qualquer outro presidente.

“Sinto que ele realmente se importa”, disse Emmert, um ex-veterano que foi um dos poucos detidos que receberam clemência de George W. Bush.”Ele disse que vai fazer mais [indultos], ele disse que está apenas a começar.”

“Agradeci-lhe por acreditar em mim”, disse Brant. “Prometi que nunca o iria desapontar, ele nunca terá que se preocupar com o seu nome sendo mal falado por assinar a papelada que me permite ser livre.”