“Jamie Vardy chegava alcoolizado aos treinos”, lembra vice-presidente

O clube de futebol Leicester está nas bocas do mundo. Pela primeira vez campeão da Premier League, o vice-presidente Aiyawatt Srivaddhanaprabh lembra agora a incrível história de Jamie Vardy, decisivo na equipa para a conquista do título, e que não foi sempre um ‘conto de fadas’. Lembra de como foi difícil a adaptação do avançado à alta roda do futebol inglês.

«No início, era contra a contratação de Vardy. Depois vi alguns relatórios dos observadores e comecei a pensar que seria um bom reforço. Ainda assim, teria de me justificar perante os adeptos porque iria contratar um jogador desconhecido por um milhão de libras. Para os adeptos, eu era o dirigente mais palerma do mundo», recordou ao jornal Day Magazine.

«Depois de ter autorizado a contratação, os adeptos ficaram furiosos. Alguns ligavam a perguntar se estava louco», prosseguiu o tailandês, filho do dono do clube, antes de recordar os primeiros tempos do avançado no clube.

«No dia em que o contratámos, veio agradecer-me por ter mudado a vida dele. Nunca tinha visto tanto dinheiro e já estava nas nuvens. Começou a beber todos os dias e não sabíamos o que fazer com ele.»

«Quando me contaram que chegava alcoolizado aos treinos, fui falar com ele. Perguntei-lhe se queria terminar a carreira assim e se queria continuar o mesmo caminho. Disse-lhe que seria dispensado assim que terminasse o contrato. Disse-me que não sabia o que fazer com a vida, que nunca tinha visto tanto dinheiro. Então perguntei-lhe: ‘Que sonhos tens? Nós investimos em ti, tens algo para dar em troca?’»

«Depois dessa conversa, parou de beber e começou a trabalhar arduamente nos treinos. Fisicamente, não estava tão bem como está agora. Sabíamos que tinha um arranque explosivo, mas não fazíamos ideia que podia ser tão bom», concluiu.

nv-author-image

Equipa BANTUMEN

A BANTUMEN é um magazine eletrónico em português, com conteúdos próprios, que procura refletir a atualidade da cultura urbana da Lusofonia, com enfoque nos PALOP e na sua diáspora.