Carlos Puia foi preso  por destruir meia dúzia de cópias do livro de selfies, Selfish, publicado por Kim Kardashian. A obra divulgada em Janeiro de 2015, que consistia em fotos da celebridade através da câmara do telemóvel.

Segundo a revista People, apesar do acto de destruição ter sido gravado pelas câmaras da loja local de Barnes & Noble, Carlos Puia entregou-se à policia cerca de cinco meses depois do incidente. O acusado deixou ainda uma carta onde acusa a livraria de fazer qualquer coisa por dinheiro, e ainda explica o porquê de não gostar de pessoas como Kim Kardashian.

Carlos Puia já se encontra em liberdade depois de ter sido presente ao juiz, ter sido declarado culpado, e estipulada uma fiança no valor de 2,500 dólares americanos.