O TEDxPraia, a ter lugar já no próximo sábado, 18 de Março, é o primeiro evento da marca TEDx a acontecer em Cabo Verde. Para percebermos melhor o que se vai passar neste programa de renome internacional, que já teve convidados como Michelle Obama e Bill Gates, e cujo intuito máximo é a troca de experiências, estivemos à conversa com Pedro Lopes, organizador e anfitrião.

Quando e como surgiu a ideia de levar o TedX até Cabo Verde?

A ideia surgiu através das sessões de capacitação da Associação Juvenil Geração B-Bright, uma organização sem fins lucrativos e completamente apartidária que coloca o foco no reforço das competências dos jovens e na aposta na participação cívica da juventude cabo-verdiana. Quando mostrávamos os vídeos TED, toda os presentes, perguntavam porque é que nunca tinha sido realizado uma edição em Cabo Verde. Neste sentido, decidimos candidatar-nos à licença e ao longo processo para que esta nos fosse concedida.

Há quanto tempo estão a preparar o evento?

O pedido e o suporte para a obtenção da licença internacional do TED foi feito há mais um de ano. Em termos operacionais a equipa do primeiro TEDx de Cabo Verde está a preparar o evento há cerca de 8 meses.

Qual é o tema desta primeira edição?

Aproveitando a nossa posição estratégica global, decidimos projectar uma ligação visual com o X de TEDx no Mapa-Mundi e encontrámos o nosso tesouro. O tesouro Cabo Verde que está no seu triunfo de um modelo democrático estável, numa paz contínua, numa taxa de literacia alta, num sentido de comunidade que teima resistir à modernidade dos nossos tempos e numa constante vontade do nosso povo de se superar e acima de tudo de ser ousado nos seus pensamentos, posicionando-nos como gigantes no mundo, apesar da nossa pequenina dimensão física. É esta a temática do TEDxPraia – ConeXão – o primeiro evento TEDx a acontecer no dia 18 de Março de 2017, na Cidade da Praia, e que acreditamos que possa ser um contributo da sociedade civil para conectar Cabo Verde ao mundo e à sua diáspora.

Qual é o objectivo do evento?

Cabo Verde tem tido recentemente vários projectos que nascem unicamente da sociedade civil e de uma juventude que começa a dizer presente e deseja assumir um papel determinante no país. É esta juventude que quer um país capaz de acompanhar o ritmo do mundo e vê a inovação e tecnologia a conexão à aldeia global. O que esperemos que aconteça depois desta iniciativa é contribuir na construção de um Cabo Verde 2.0, onde jovens e menos jovens juntos procuram inovar, seja na vertente tecnológica ou social, mas que abracem uma nova dinâmica e forma de pensar como uma das escadas para atingir o desenvolvimento. Foi com a ousadia de outrora que construímos o nosso país e será também com ousadia e inovação que poderemos escrever o nosso futuro.

TEDxPraia – Apresentação pública

As próximas edições vão continuar a acontecer na cidade da Praia ou vão levar o evento a outras ilhas?

Nós temos a licença internacional para organizar o TEDxPraia em 2017 e, se esta edição for bem-sucedida, em 2018. Apesar disso o TEDxPraia é o TEDx Cabo Verde que só não tem essa denominação por limitações da licença internacional que não permite ter o nome do país na iniciativa. Vamos estar em São Vicente através de uma parceria com a Unitel que vai equipar o auditório da Uni-CV no Mindelo para a transmissão do evento e vamos também estar a transmitir on-line para o país inteiro e para o mundo.

Quantas pessoas estão envolvidas na organização?

Neste momento, contamos com 12 organizadores voluntários que trabalham há vários meses, todos os dias, sem nenhum ganho financeiro, para trazer esta iniciativa para Cabo Verde. Além disto, temos a nossa equipa de jovens voluntários para o dia do evento, que vai dar o total apoio aos organizadores para que esta iniciativa seja um sucesso.

Fale-nos do processo de organização do evento, desde o momento em que era apenas uma ideia e até chegar ao dia da conferência de apresentação do primeiro TEDxPraia.

Organizar um evento destes sem uma estrutura profissional e sem fins lucrativos para os organizadores é um enorme desafio e foi o que aconteceu. Ter que disponibilizar horas a fio após um dia de trabalho e colocar o máximo esforço no TEDxPraia, retira-nos tempo para estar com a família, amigos, realizar outras actividades, mas a verdade é que todos nós entrámos nisto com o sonho de trazer pela primeira vez um evento TEDx para Cabo Verde e isso está muito perto de acontecer, por isso olhando para trás repetiríamos tudo outra vez.

Para organizar uma iniciativa destas é necessário uma equipa coesa e comprometida, parceiros que se envolvem verdadeiramente e apoio de instituições públicas e da sociedade civil para ajudarem a concretizar as ideias dos organizadores.

O Ministério da Cultura e das Industrias Criativas decidiu estar ao nosso lado logo de início, conjuntamente com a empresa de telecomunicações Unitel que mostrou que ser líder no mercado da inovação em Cabo Verde é também apoiar este tipo de projectos, o reconhecido Instituto Pedro Pires, a Embaixada dos Estados Unidos da América e a agência de viagens All Inclusive. E claro está, todos os parceiros técnicos nomeadamente a produtora Kriolscope, a Kblast, a GreenStudio, a KriolEventos, a NewLook, a Marius Produções e o nosso media partner Sapo Cabo Verde.

Quantas pessoas estão à espera de receber?

A primeira licença TEDx permite ter apenas 100 participantes, ou seja, pessoas que vão assistir in-loco ao evento. Só será possível assistir ao TEDxPraia por convite e com um número tão limitado de pessoas, decidimos da forma mais justa possível, distribuir pelos nossos parceiros e organização.  Queremos, no entanto, que o TEDxPraia possa chegar ao maior número de pessoas possíveis, nesse sentido vamos ter no dia 18 de Março no Praia Shopping um ecrã led que transmitirá em directo, para além da transmissão on-line através do nosso site.

Quantos oradores?

Teremos oito oradores e três momentos artísticos. Os oradores serão: a empreendedora moçambicana Tânia Tomé, premiada pelo Ex-Presidente Barack Obama como a Jovem Líder Africana do Ano em 2016, o português criador da Facestores, Paulo Solinho, o produtor de origem cabo-verdiana Valério Lopes, o engenheiro cabo-verdiano Luís Frederico, a bailarina em cadeira de rodas Jamira Dias, Nick Pinheiro que é engenheiro na Microsoft e colabora para o Facebook, o encenador João Branco que é também o fundador da Associação Mindelact e da ALAIM e a CEO da Wansati Comunications Emily Macauley e considerada pela Jeune Afrique uma das 50 melhores gestoras de África. Nos momentos artísticos teremos o grupo SpokenWord, o bailarino Djam e os músicos Hilário Silva e Sara Alhinho num duo inédito.

Teremos também os momentos I-LAB que vai permitir que oito start-ups tecnológicas e organizações de inovação social possam, de forma dinâmica, demonstrar as suas inovações com um tablet e indo ao encontro do público do TEDxPraia, em vez do formato tradicional de stand onde o público é que vai ao encontro das empresas/organizações. Queremos dinamismo, queremos inovação, queremos Conexão!

Como surge a escolha dos oradores? 

Alguns foram seleccionados directamente pela equipa e outros manifestaram o seu interesse e passaram por um rigoroso processo de curadoria que contou também com uma votação final dos nossos parceiros. Recebemos quase uma centena de manifestações de interesse do mundo inteiro, muitas delas sem qualquer ligação a Cabo Verde, porque muitos são os que querem ser speakers num evento TEDx. Decidimos apostar forte na diáspora cabo-verdiana e por isso teremos um cabo-verdiano que vive nos Estados Unidos, outro no Luxemburgo e ainda outro que vive na Bélgica. No entanto, teremos também oradores portugueses e uma oradora moçambicana.

Quais são as vossas expectativas?

As nossas expetativas são organizar um TEDx capaz de ombrear com os restantes TEDx do mundo mas mostrando também aquilo que são as características de Cabo Verde. Queremos mostrar ao mundo que queremos estar em conexão com o que de inovador se produz e queremos também contribuir com a nossa inovação. Esperemos que este possa ser um contributo concreto da sociedade civil para Cabo Verde e para o Mundo no sentido de unir as pessoas em torno de boas ideias num momento em que impera tanta divisão no nosso planeta. É com atitudes positivas na nossa casa, na nossa rua e na nossa comunidade que mudamos o mundo.