A indústria do sexo, uma das mais rentáveis do mundo, está em constante evolução. Um dos updates que há muito ouvimos falar é sobre a possibilidade de bonecos sexuais de tamanho e aparência quase humanas e que possam, de certa forma, substituir as pessoas. Já é uma possibilidade em Barcelona, Espanha, onde há um bordel, o Lumidolls, em que as bonecas sexuais parecem mulheres de verdade. Cada hora pode custar 80 euros.

Niky, Leyza, Lily e Aki medem entre 1,60 e 1,70 metros, pesam 40 quilos e não têm um pingo de gordura ou de celulite. Claro, não são pessoas de verdade e sim bonecas de siliconecujo único papel é satisfazer as necessidades sexuais dos seus clientes.

É o primeiro bordel da Europa a abrir com bonecas sexuais. No Japão, por exemplo, esta é uma indústria que gera milhões, com robôs a custarem entre 5 mil e 25 mil euros, em função da personalização. Na casa onde vivem estas quatro bonecas, a decoração não foi descurada: velas, taças com morangos ou músicas românticas completam um cenário em que também não faltam preservativos, cremes lubrificantes ou filmes pornográficos.

A higiene destas bonecas é feita após cada utilização, com sabão de hospital e com pistolas de pressão, contudo há quem ainda tenha algumas dúvidas sobre a eficácia dessas lavagens.

As vantagens destes novos métodos são mais do que muitas. Para os patrões, não há desculpas para faltar ao trabalho, não há mau humor nem o desvio de dinheiros, além de que estas bonecas, os robôs sexuais e a inteligência artificial podem vir a ser poderosas armas contra o tráfico sexual e humano.