O jazz africano dos Jaixi ft Boaz, o contemporâneo dos Spyro Gyra e latino de Roberto Fonseca Quartet, dominaram o último dia da IX edição do Kriol Jazz Festival, tendo o ganês Pat Thomas fechado a noite.

A noite começou muito cedo, antes do programado, ou seja, antes das 20h30, com a actuação de Jaixi feat. Boaz do Costa de Marfim. Este trio africano do jazz mostrou ao público a sua música que é uma mistura de melodias e ritmos africanos orquestrados por uma harmonia jazz, que resulta num estilo de fusão.

Antes das 21h, a jovem artista cabo-verdiana Elida Almeida, que marca a sua segunda presença neste evento, subiu ao palco da Praça Luís de Camões, apresentando o resumo do concerto que tem apresentado fora de Cabo Verde. A artista, que assegurou que o seu novo trabalho está a ser “muito bem aceite”, avançou que na agenda já tem confirmado concertos na Ilha da Reunião, Bélgica, França, Holanda e ainda outras datas por acertar.

O jazz voltou mais uma vez ao palco, desta feita com o grupo americano Spyro Gyra com “jazz contemporâneo”, depois com Roberto Fonseca Quartet de Cuba que trouxe ritmos latinos num momento marcado por improvisos e mudança de ritmo, num “bom jazz” tendo o público acompanhado a cada mudança.

O festival chegou ao fim por volta das 3h, ao som de uma das figuras emblemáticas do highlife ganês dos anos 70 e 80, do afrobeat e da cena afro-pop, Pat Thomas & Kwashibu Area Band, que contagiou o público.

A festa continuou ainda na Kebra Canela com o “Kriol Jazz AM” com Topium, do Canadá, e Dj Satélite, de Angola.