Ninguém valoriza aquela pessoa que gosta de poupar as suas energias para ficar na cama mais tempo. Mas deviam, segundo um estudo do Journal of Health Psychology, as pessoas com o QI mais elevado tendem a ser mais preguiçosas.

Foi efectuado um estudo por investigadores da Universidade Florida Gulf Coast que tinha como objectivo analisar o comportamento de indivíduos enquanto mediam a sua capacidade “pensadora”. Dividiram os participantes em dois grupos de 30, para medir durante sete dias os níveis de actividade destes indivíduos.

O que se obteve como resultados foi que, de segunda a sexta, os indivíduos mais “pensadores” eram significativamente menos activos, comparados com o QI menos elevado. Os investigadores concluíram que os indivíduos de alta-NDC (necessidade de cognição) satisfazem-se entretendo-se mentalmente, não necessitando de muita actividade além da mental, já os indivíduos de baixa-NDC não exercitam tanto a mente e sentem necessidade de ter outras actividades. Resumindo, as pessoas mais inteligentes têm cérebros mais divertidos.

Estranhamente, os níveis de actividade para ambos os grupos foram os mesmos durante o fim-de-semana. Os investigadores atribuem isto à população de amostra – estudantes – cuja atividade pode, simplesmente, refletir o comportamento dos jovens adultos (comer, dormir, festa, repetir).