Decidiu fazer um álbum de rap como tese e passou com distinção de honra

A tese final de licenciatura pode ser uma verdadeira dor de cabeça, mas nem sempre esse trabalho tem de ser penoso. Que o diga Obasi Shaw, aluno da Universidade de Harvard, que obteve a distinção summa cum laude minus [com as maiores das honras] com nota A-, o equivalente a 18 no ensino português, na sua tese final de licenciatura em Língua e Literatura Inglesa. Até aqui nada de mais, mas a sua tese foi apresentada em forma de álbum rap, pela primeira vez na história da reconhecida universidade.

“Este é o primeiro álbum alguma vez submetido como tese no Departamento Inglês”, referiu Lauren Bimmler, administradora do programa de licenciaturas de Harvard, citada pela Harvard Gazette. Contudo, outros alunos já submeteram memórias, novelas, poemas ou pequenos contos como teses de escrita criativa. O álbum tem um total de 10 faixas em 36 minutos e intitula-se “Liminal Minds”.

De acordo com uma publicação no perfil de Instagram da universidade: “elementos da poesia inglesa com questões de identidade racial na América”, sendo que, para Shaw, “cada canção é uma análise desse estado entre a escravatura e a liberdade”.


Para Shaw, a tese é ainda uma forma de reconhecer o rap como arte. “A poesia e o rap são bastante semelhantes. Os poemas com rima são muito comuns na poesia inglesa”.

A ideia para a tese surgiu da mãe de Obasi, mas o jovem só considerou essa hipótese quando se aproximava o dia de apresentar a proposta para o projecto final. Como preparação, o jovem ouviu rap de várias épocas, para conseguir ter uma visão geral do estilo e para “entender o que significou para as pessoas ao longo das décadas”.

Contudo, Shaw não pretende fazer carreira musical: quer realizar um estágio de um ano numa empresa de software em Seattle, ficando o rap apenas como passatempo. “O rap é um estilo em que posso dizer tudo o que quero dizer”, referiu.

TRABALHO DE PRETO
nv-author-image

Equipa BANTUMEN

A BANTUMEN é um magazine eletrónico em português, com conteúdos próprios, que procura refletir a atualidade da cultura urbana da Lusofonia, com enfoque nos PALOP e na sua diáspora.