A arte moderna africana está a ser gentrificada

Este é um artigo de opinião de Chica Okeke-Agulu, publicada originalmente no The New York Times, que revela a forma como a arte africana tem sido tratada actualmente. Depois de anos de saques e apropriação selvagem de peças de valor incomensurável, estamos na altura em que a arte africana é considera a coqueluche de grandes casas de arte e coleccionadores privados no ocidente. Enquanto isso, os povos e culturas de onde essas peças são originárias continuam privados da sua contemplação e da sua história.

Lê o artigo, traduzido na íntegra, abaixo.

 

Nesta terça-feira aconteceu o primeiro leilão de arte moderna e contemporânea africana, organizada pela Sotheby’s, onde 83 peças de artistas dos Camarões e África do Sul venderam cerca de 4 milhões de dólares em peças de arte. A estrela do leilão foi uma escultura do artista ganês El Anatsui, feita de caricas de alumínio e fio de cobre e vendida por cerca de 950 mil dólares.

Este não era um evento comum. A arte africana é responsável por uma porção muito pequena do mercado de arte internacional, e os artistas africanos têm sido vistos como estrangeiros. Mas a demanda pelos seus trabalhos aumentou muito na última década.

A venda na Sotheby’s, o avô de leiloeiros, provavelmente sinaliza o início de um interesse mais sério de museus ocidentais, que podem finalmente começar a considerar esse trabalho digno de inclusão nas suas colecções permanentes.

“Drifting Continents” (2009), do artista do Gana El Anatsui | @Chester Higgins Jr./The New York Times

Nesta marcha inexorável para o mainstream, estou tentado a pensar na arte africana contemporânea como um bairro urbano que está a passar pela gentrificação. Agora que é vista como cultura fidalga, a arte e os artistas estão a ganhar valor, os investidores estão empenhados em obter o “seu” pedaço e as colecções particulares estão a crescer em África e em todo o mundo.

Esta é uma notícia muito boa para os modernistas africanos que se beneficiarão da visibilidade aumentada. Estes eram, dizem alguns, a vanguarda pós-colonial, que se propôs a criar uma nova arte para a África independente durante meados do século XX. Os artistas contemporâneos africanos também ultrapassaram o nacionalismo e têm maior probabilidade de soar a globalização e a identidades complexas.

Mas as massas do continente serão os maiores perdedores. A eles será negado o acesso a obras de arte que definem a idade da independência e simbolizam o lento processo de recuperação pós-colonial.

Isto porque os países africanos não podem gabar-se de um único museu de arte de renome. Em outros continentes, consegues encontrar pelo menos um museu de arte pública em qualquer cidade, grande o suficiente para ter uma equipa de desporto. Mas boa sorte se tentares encontrar um museu em Lagos, uma das maiores cidades do mundo, que exibe o trabalho de um grande artista nigeriano. Uma criança tem ainda menos probabilidades de aprender arte numa sala de aula.

Este não é um pequeno problema, dado que a arte é um recurso importante com o qual as sociedades imaginam o seu mundo. É também duplamente significativo para os africanos que encontraram por muito tempo os melhores exemplos da sua arte em espaços públicos, assim como durante rituais ou eventos festivos.

Entre os Igbo do leste da Nigéria, por exemplo, uma das mais altas expressões artísticas da comunidade era a casa Mbari, um prédio aberto decorado com murais abstratos e cheio de esculturas de deuses e mortais. Foi produzido em segredo por construtores designados que apresentaram a estrutura à comunidade durante uma celebração da deusa da terra.

“How to Blow Up Two Heads at Once (Ladies),” 2006, da artista nigeriana Yinka Shonibar |  @Steve White/Museum Purchase, Wellesley College Friends of Art

Embora os contextos sejam ligeiramente diferentes agora, o ataque da privatização e o “exílio” da arte moderna e contemporânea são um mau sinal para o desenvolvimento cultural africano. Temos, infelizmente, visto isso antes.

Durante a era colonial, bandos de saqueadores – missionários, estudiosos, forças de segurança e caçadores de fortunas – se espalharam por todo o continente e, por força ou engano, transportaram vastas quantidades do património artístico africano. Muitas dessas obras-primas da escultura africana antiga e tradicional agora residem em grandes colecções privadas e públicas no ocidente, com poucas chances de voltarem para África.

Tal como acontece com os Kongo Minkisi, esculturas usadas para selar convénios, caçar malfeitores e curar doentes, que estavam originalmente envolvidas na vida ritual dos poderosos e das pessoas comuns,  agora estão alojadas em lugares como o Metropolitan Museum of Art.

Esse trabalho é cotado entre a notável e grandiosa arte do mundo. Mas a maioria dos africanos não tem praticamente nenhuma chance de apreciar ou reconectar-se com essas expressões importantes das suas histórias culturais.

Recentemente, a minha mãe de 72 anos, estava a olhar para um catálogo brilhante de esculturas Igbo de grandes colecções europeias, a maioria das quais foram adquiridas durante a Guerra nigeriana-biafrana do final dos anos 1960. Ela contou-me que o desaparecimento de esculturas semelhantes nos santuários da nossa cidade natal, no sudeste da Nigéria, e o fim dos festivais associados, foi uma das suas lembranças mais dolorosas daquela guerra.

Não podemos deixar que essa história se repita. Mas o que deve ser feito?

Os coleccionadores africanos e aqueles com base em África devem participar neste mercado, pois é mais provável que as suas colecções permaneçam no continente. Felizmente, isso já começou. À medida que África vence anos de ditaduras e guerras civis, as suas democracias emergentes vêem o surgimento de uma classe rica e cosmopolita, interessada em apoiar a arte e a cultura. Alguns coleccionadores e consumidores de arte surgiram como grandes jogadores nesses novos leilões e feiras.

A disseminação de colecções privadas não é, contudo, o objetivo a longo prazo. Em vez disso, é um passo em direcção a um futuro no qual coleções públicas bem geridas são apoiadas por instituições governamentais e não-governamentais. Podemos agora ter bilionários com penthouses cheios de arte, mas não faz diferença para os africanos comuns se a melhor arte do continente está trancada em abóbadas de bancos no exterior ou em casas particulares em África.

Em vez disso, essas colecções devem eventualmente se tornar públicas e, assim, servir o bem cultural maior. Isso também já está a começar a acontecer.

Sindika Dokolo durante uma exposição de arte em Portugal

O empresário congolês Sindika Dokolo transferiu a sua colecção particular para a fundação com o seu nome que estabeleceu em Luanda, Angola. Isso teve um impacto extraordinário na vida cultural da cidade. O Zeitz Museum of Contemporary Art África, na Cidade do Cabo, África do Sul, cujas participações incluem peças da colecção pessoal de Jochen Zeitz da Alemanha, está pronta para fazer o mesmo quando abrir este Outono. Precisamos de mais.

Mesmo assim, África não pode confiar unicamente na boa vontade de coleccionadores individuais. Agências estatais e governos municipais devem promover uma experiência cultural mais rica para os seus cidadãos. E podem fazer isso através da construção e manutenção de museus nas grandes cidades. A prática habitual de tratar arte e cultura como um aspecto supérfluo da experiência humana que não merece apoio público não é sustentável.

Se existem museus e são bem executados, a arte virá. Nos meus anos de pesquisa, conheci muitos artistas idosos que se queixam amargamente da ausência de museus públicos. Eles não têm onde doar obras de arte que esperavam ficar nos seus países de origem.

A venda da Sotheby’s, entre outras, podem até ter novos recordes de leilões para os artistas africanos, mas a minha esperança é que os seus trabalhos encontrem eventualmente o seu caminho para os museus públicos que devem levantar-se em cidades africanas de rápido-desenvolvimento.

Artigo originalmente publicado no The new York Times, por Chica Okeke-Agulu

 

TRABALHO DE PRETO
nv-author-image

Equipa BANTUMEN

A BANTUMEN é um magazine eletrónico em português, com conteúdos próprios, que procura refletir a atualidade da cultura urbana da Lusofonia, com enfoque nos PALOP e na sua diáspora.