As seis modelos africanas com mais peso no mundo da moda internacional

Hoje é o Dia de África e que melhor maneira de festejarmos do que dedicarmos o dia a explorar conteúdos que comemorem e homenageiem a cultura africana e os seus representantes. A BANTUMEN pesquisou sobre as modelos que mais impacto tiveram, ou continuam a ter, na afirmação do nome África neste mundo da moda e encontrámos personalidades como Alek Wek, Maria Borges, Leila Nda entre outras. Aqui ficam seis símbolos africanos desta grande passarela que é o planeta.

Em primeiro lugar temos com 1,78cm Sharam Diniz, uma modelo luso-angolana de 26 anos que conta no currículo com agências como a L’Agence, em Lisboa, Portugal, a Elite de Estocolmo, Suécia, a PMA de Hamburgo, Alemanha e a Next Management, em Nova Iorque, EUA.

Em 2015 alcançou o que muitas modelos dizem ser o ponto alto da carreira, ao estar no desfile mais conhecido do mundo organizado pela Victoria Secret, o Victoria’s Secret Fashion Show. Em Portugal também deixou a sua impressão digital ao pousar para a capa da Vogue Portugal.

Maria Borges é tal como Sharam Diniz e uma modelo da nova geração que anda a surpreender o mundo. A modelo angolana nasceu em Luanda, tem 24 anos e 1,80cm de altura. Maria conseguiu este ano um feito inédito ao ser capa da revista norte-americana ELLE: Tornou-se na primeira mulher africana do século a ser capa da revista norte-americana.

Parce estar tudo a correr da melhor maneira para a modelo angolana, considerando as constates aparições em publicações importantes ido meio, como a recente entrevista à Vogue UK e Elle norte-americana sobre a sua história. No currículo conta também com a participação no Victoria’s Secret Fashion Show e com o título de embaixadora da L’Oreal. No ano passado, Maria tornou-se na primeira modelo a desfilar de cabelo crespo natural no evento anual da Victoria’s Secret.

Outro dos nomes que tem espalhado a beleza africana pelo mundo da moda é Leila Nda. A modelo de 26 anos nasceu na República do Burundi, mas cedo foi viver para Bruxelas. Leila fala cinco línguas, sendo que a francesa e o kirundi são as suas línguas maternas.

Explodiu no panorama da moda depois de posar para publicações como a Allure, Elle, Vogue e a marca italiana Versace. Este boom valeu-lhe a convocatória para participar no desfila da Victoria’s Secret em 2016. No seu Instagram oficial conta com quase 40 mil seguidores.

Candice Swanepoel tem 28 anos e é uma das modelos que abriu portas depois da ícone Alek Week. A modelo da África do Sul faz parte da lista de anjos da Victoria’s Secret e o que não faltam são curvas para conquistar qualquer homem. No seu currículo conta com nove aparições seguidas no Victoria’s Secret Fashion Show, de 2007 a 2015.

A presença da modelo em anúncios publicitários tem sido uma constante nos últimos anos e para o currículo ficam editoriais para Elle, Vogue, GQ, Harper Bazaar, entre outros. Desde de 2010 que todos os anos a sul-africana entra no top 10 das melhores modelos do ano para a revista Forbes.

A mais nova das seis modelos que decidimos mostrar-te tem 21 anos, chama-se Herieth Paul e nasceu na Tanzânia. Mas não te deixes enganar pela sua tenra idade, como modelo já desfilou para marcas como Diane von Fürstenberg, Lacoste, Tom Ford, Calvin Klein, Armani e a Cavalli.

O facto da sua mãe ser diplomata, fez com que aos 14 anos tivesse que se mudar para o Canadá. A sua primeira agência foi a Women Management de Nova Iorque, e ao longo a sua carreira afiliou-se ainda à Select Model, à Spot 6 e à Angie’s AMTI.

Em último, mas com um nível de importância similar ou maior que as restantes temos Alek Wek, a modelo que nasceu no Sudão do Sul e que em paralelo é membro do U.S. Committee for Refugees’ Advisory Council. Com 40 anos e 1,80cm ao longo da sua carreira participou num filme, lançou livros e esteve em inúmeras passarelas.

A sua primeira aparição pública foi no videoclipe da cantora Tina Turner, em 1995, na música “GoldenEye.” O sucesso foi tanto que abriu portas para o mundo da moda e a Ford Models assinou com Alek Wek. A modelo ainda chegou a participar num videoclipe de Janet Jackson. Seguiram-se anos de muita visibilidade ao trabalhar com marcas como a Pirelli, Issey Miyake, Moschino, Victoria’s Secret, Clinique e Revlon, John Galliano, Donna Karan, Calvin Klein e Ermanno Scervino.

Em 2002 estreou-se no cinema com o filme Four Feathers, um projecto cinematográfico em que participou ao lado de actores como Heath Ledger, Kate Hudson, Wes Bentley entre outros. Alek Wek decidiu homenagear o pai da melhor maneira possível e lançou uma marca de malas Wek 1933. Os números 1933 representam o ano em que o seu pai nasceu.

O trabalho de dar visibilidade à cultura africana pelo mundo não deve ser fácil mas o objectivo aos poucos está a ser concretizado. Estas seis modelos não fizeram muito apenas pela cultura africana mas sim pela sociedade no geral e pelas mulheres. Apesar de existir sempre algum cepticismo e reticência, com certeza que as mulheres que se seguirem terão um caminho mais facilitado depois de modelos como Alek Wek, Maria Borges e as restantes terem quebrado as barreiras e aberto as portas.

 

BANTULOJA
nv-author-image

Tiago Firmino

Nascido e criado na Margem Sul do Rio Tejo, tenho formação profissional em Jornalismo, na ETIC, em Lisboa. Com 24 anos, tenho mil e um objectivos, mas o dia só tem 24 horas.