Chance The Rapper

Chance The Rapper, o mais novo de sempre a receber o prémio humanitário dos BET Awards

Chance The Rapper foi um dos grandes destaques da noite, não só por ter arrecadado o prémio de Melhor Novo Artista derrotando 21 Savage, Cardi B, Khalid e Young M.A., mas por ter levado para casa o prémio 2017 BET Prémio Humanitário. O seu discurso tornou-se viral na Internet depois do artista falar sobre os maiores problemas da sociedade.

No seu discurso de aceitação do prémio, Chance The Rapper sublinhou a brutalidade policial, a lotação excessiva nas cadeias e a incapacidade do governo de solucionar estes dois problemas.

“Isto é demasiado. Eu não preparei nenhum discurso porque quis falar directamente do coração. Eu adoro pessoas negras. Ia dizer que sinto que é um pouco cedo para receber um prémio destes mas Deus não comete erros. E gosto de pensar que Ele colocou esta enorme pressão para ver como reajo. Tenho planos para mostrar ao mundo e dizer a toda gente que está a ver isto para tornarem o mundo no lugar melhor. Mas um amigo meu disse-me que temos de trabalhar primeiro em nós para depois podemos mudar o mundo.”

Na gala dos prémios BET, que decorreu esta madrugada, dia 26, em Los Angeles, nos Estados Unidos da América, no Microsoft Theater, Michelle Obama antes de apresentar o prémio ao rapper fez questão de o elogiar. “Estamos tão orgulhosos de ti Chance. Tu estás a mostrar aos jovens que eles importam. Chance The Rapper tu és sem dúvida um exemplo a seguir e uma inspiração para as pessoas que se preocupam com a próxima geração.”

O rapper, que nasceu em Chicago é o artista mais novo de sempre a vencer o prémio, tudo graças às contribuições enormes que faz à comunidade. Por exemplo, Chance The Rapper doou um milhões de dólares americanos a todas as escolas públicas da sua cidade natal e ainda dois milhões para organizações de caridade como a Social Work.

 

TRABALHO DE PRETO
nv-author-image

Equipa BANTUMEN

A BANTUMEN é um magazine eletrónico em português, com conteúdos próprios, que procura refletir a atualidade da cultura urbana da Lusofonia, com enfoque nos PALOP e na sua diáspora.