“Violência Simbólica” é o novo single de MCK

Estamos a um mês das eleições gerais em Angola e parece que a campanha a favor de uma Angola melhor está a ser feita, finalmente, pelo movimento do rap consciente angolano. Depois do single de Ikonoklasta, “Manifesto Eleitoral”, é a vez de MCK fazer chegar ao público “Violência Simbólica”, produzida por Ricardo 2R.

Um manifesto verbal que fala sobre o estado político e económico de Angola. O rapper da Masta K Produções faz referência a empreendimentos e negócios geridos pela elite de familiares da política angolana e a precariedade na Educação e na saúde do povo.

Abaixo podes ler a letra da música na íntegra e ver o vídeo acima, assim como descarregar no botão download no fim do artigo.

Letra da música

Refrão:

Náuseas, Cólicas, Violência Simbólica
O Povo está cansado dessa gestão Diabólica
Arrogância, Censura, Administração Isólita
O Povo está cansado dessa gestão caótica

Verso I
40 cacimbos depois, Angola está na mesma
O M está na área, miséria e malária
Situação precária, saúde funerária
Gestão deficitária, não há reforma agrária
A Imprensa é Carcerária, nada ou pouco informa
A Escola é Partidária, mutila e nos deforma
Aliás, pensando bem, até forma
Mudos e papagaios que opinam com a barriga
Ávidos por 1 diploma, Luvualos e Barricas
Servos como Kassoma, Kangambas e Ihanjicas
Ceasts e Cicas, Anas e Franciscas
Gildos e Bicas, Amilcars e Sindikas
Defenden o indefensável, a situação esta má
É porca e condenável, a corrupção que há
Ministros no activo gerem Sociedades
No Erário é só passivo, não há moralidade

Refrão

Verso II
O Povo ladra, a caravana passa
Princesa é ladra, desvia o arroz e a massa
É dona das Telecomunicações, ninguém faz massa
Mãe grande das Comunicações, controla as massas
Cala Boca, emprega em massa
Tugas, Trutas, Zukas, Frutas
Russas, Lukas, Zutas…
Especialistas mercenários, Doutores fudidos
Transformam o que era injusto em merecido
O Tribunal de Contas faz de contas que não há contas pra fazer
O Supremo aponta na descontra, “tou lá dizer”
O Constitucional não fiscaliza, Mamoite Viola
Juízes são comprados, Girabola
Calam Revús com Prados, Boyolas
Casas em Condomínios, vi Yolas
Náuseas, Cólicas, Violência Simbólica
O Povo está cansado dessa gestão Diabólica
Irónico, até Padres são do Partido
É por isso que o País está assim, todo Partido
Valores invertidos, todos querem tirar partido
Pastores pervertidos, o Povoé burro e divertido
Ninguém reivindica, estão todos Convertidos
Ninguém critica, estamos todos entertidos
Com as montras do Avenida e a Net da Zap Fibra
Duas Barras pra Nicki Minaj, o Povo salta e vibra
Rest in peace Detroia, não faz isso Bela
Queremos mais Cucas e Belas, Zap Novelas
Kandandos e Xyamis, Pumangol, Keros e Belas
Menos Saúde e Educação, mais Fofandós e Velas
Cemitério e Celas, menos funge na Panela
Cabinda, Cunene, Moxico e Benguela…

TRABALHO DE PRETO
nv-author-image

Equipa BANTUMEN

A BANTUMEN é um magazine eletrónico em português, com conteúdos próprios, que procura refletir a atualidade da cultura urbana da Lusofonia, com enfoque nos PALOP e na sua diáspora.