Titica, uma das musas da artista queniana Kawira Mwirichia

Kawira Mwirichia é uma artista que tem como principal objectivo mudar o mundo através da beleza que inspira e educa, trabalhando por diversas vezes com a comunidade LGBT do seu país. Desta vez, o seu novo projecto, To Revolutionary Type Love, criou uma simbiose entre a arte Masai e a contemporânea, onde a kudurista Titica foi uma das caras escolhidas para figurar numa das obras.

No Quénia há o chamado mercado Masai, que vende os panos tribais tradicionais e há a arte contemporânea, de “pessoas que estão a experimentar outras formas de expressão”, indica a artista na página do serviço WeTransfer, onde a sua obra está exposta.

To Revolutionary Type Love é a tradição aliada à arte moderna, usando as khangas, o pano tradicional do este africano, para celebrar a cultura LGBT. estes panos sempre foram uma forma de dar voz a grupos normalmente silenciados. “O que a khanga diz é importante”, diz a conterrânea e também artista Ndinda Kioko. “É um local de imaginação:um lugar para a raiva, para a contestação social”, acrescentou.

O projecto ambicioso de Kawira reproduz uma Khanga por cada país no mundo – isso mesmo, os 196. Vê abaixo algumas dessas obras.

Arménia

Arzebeijão

Bahamas

Bangladesh

Butão

África do Sul

Bolívia

Austrália

Uganda

BANTULOJA
nv-author-image

Equipa BANTUMEN

A BANTUMEN é um magazine eletrónico em português, com conteúdos próprios, que procura refletir a atualidade da cultura urbana da Lusofonia, com enfoque nos PALOP e na sua diáspora.