Durante a juventude já não é fácil aguentar o álcool, imaginem aos 40 ou aos 50 anos. Entendidos explicaram ao jornal espanhol Buena Vida do El País que, a partir de certas idades, alguns factores fisiológicos podem contribuir para que a sensação tóxica do álcool se prolongue no tempo e que até cheguemos a sentir que as bebedeiras, e especialmente as ressacas, são piores.

Ora, estas são as mudanças que ocorrem segundo o avançar da idade:

O organismo vai perdendo água à medida que envelhecemos e, por isso, o álcool tem menos possibilidade de se diluir, fazendo com que soframos mais com os seus efeitos. Portanto, uma pequena porção de álcool que antes conseguíamos tolerar, agora pode ser tóxica.

Todo o metabolismo fica mais lento e a própria função hepática também se altera. Como o fígado demora mais a purificar o sangue e a eliminar o álcool, este fica mais tempo no corpo, agravando a sensação de ressaca.

Tendencialmente, os problemas digestivos também são mais comuns em pessoas mais velhas. O álcool não é nada amigo das pessoas que sofrem de problemas de estômago. Quando o estômago está inflamado, o álcool cai-nos pior.