Quando o dinheiro começa a aumentar, começa os problemas a aparecer. O Spotify foi notícia, no últimos dias, por ter sido processado por direitos autor pela Wixen Music Publishing. Em causa, está a ausência do pagamento de licenças e valores apropriados.

Ler+ Carla Prata, sabe tudo o que quer falta apenas a afirmação

Os valores em falta são relativos ao uso indevido da música de álbuns como Light My Fire, dos The Doors, e Free Fallin, de Tom Getty. A informação foi publicada pelo The Hollywood Reporter. A Wixen detém no seu currículo os direitos legais do cantor Zack de la Rocha e do guitarrista Tom Morello, dos Page Against the Machine, de Dan Auerbach, dos Black Keys, de Rivers Cuomo, Neil Young, Steve Nicks, Kim Gordon, entre outros.

Em comunicado, a Wixen Music revelou que o Spotify não tem licença para mais de 20% das músicas que tem no seu serviço de streaming. No texto em questão, escreva ainda que a plataforma está a pagar um valor “injusto” aos proprietários dos direitos. Em conclusão, a empresa avançou que foi tomado uma atitude para tentar resolver o problema o mais rápido possível.

A equipa de advogados do Spotify já preencheu os papeis necessários para o tribunal e emitiu uma carta aos clientes. O objectivo é fazer perceber aos clientes que têm a opção de deixar o Spotify, a não ser que sejam consolidadas provas que contrariem as afirmações da Wixen Music.