Nas galerias, nas revistas, nos jornais, nos apartamentos, nas roupas ou nos apartamentos de todo o mundo a arte africana é agora a menina bonita dos nossos olhos. À medida que a influência da arte chinesa diminuiu, as feiras de arte africanas contemporâneas surgiram em Nova Iorque, Londres e Paris, e as exposições de arte africanas têm sido proeminentes em toda a Europa.

Mas, e a arte que transborda no próprio continente? E os artistas locais? E os museus e feiras locais? Também merecem um espaço debaixo desses holofotes. É daí que nasce a 1:54, edição de 2018, em Marrocos. “Depois de vermos aumentar o número de artistas africanos no exterior, a nossa ambição de longo prazo foi sempre voltar o foco para o continente, para que possamos criar uma base sólida no solo africano”, diz Touria El Glaoui, fundadora da 1:54, em entrevista ao Independent.

De Addis Abeba a Joanesburgo, as galerias africanas estão a crescer a uma taxa impressionante graças a um maior investimento e no súbito interesse dos media internacionais. No ano passado, o foco esteve virado para a Cidade do Cabo, devido ao lançamento do Zeitz Mocaa – o primeiro museu de arte africano contemporâneo dedicado do mundo – que cimentou o status da cidade como um centro cultural.

Mas num continente de 54 países e mais de mil milhões de pessoas, existe uma necessidade urgente de ser mais do que um importante centro de arte internacional – e El Glaoui trabalhou com curadores e artistas marroquinos para garantir que a chamada de sirene de Marrakech fosse muito tentadora a resistir.

Um desses colaboradores foi Othman Lazraq. Juntamente com o seu pai do criador de imóveis Lazraq é o fundador do Macaal de Marraquexe – um museu de cor-de-rosa escuro, inaugurado em 2016 e totalmente aberto ao público este mês. A coleção familiar de arte africana, ao lado de exposições itinerantes dedicadas à vida no continente, começando com “Africa is No Island”, que explora a identidade nacional através da fotografia, são algumas das obras que se podem apreciar no museu.

“A minha paixão é garantir que a nossa arte é mostrada aqui, em África”, diz Othman à publicação inglesa. “Marraquexe foi um importante centro de arte muito antes da Cidade do Cabo, em parte porque atraiu tantas pessoas criativas como Yves Saint Laurent da Europa. Mas agora queremos atrair artistas africanos do nosso continente. África sempre foi vista como um bloco, em vez de países conectados, mas sabemos o quão diversificado é, e como tem tradições e costumes que não existem mais no exterior. O meu pai sempre quis usar o seu legado para mostrar isso ao mundo”.

“Marraquexe é inegavelmente africana, mas também é francófona e fica na linha da costa da Europa e do Médio Oriente”, diz El Glaoui – que também é filha do renomado artista marroquino Hassan El Glaoui. “E, como resultado, atraímos muito mais galerias e colecionadores da França e da Bélgica do que as nossas outras feiras, além também do Senegal, Camarões e Dubai. E enquanto estiverem aqui, essas pessoas vão poder presenciar a crescente cena da arte contemporânea da cidade, graças às conversas e eventos que estamos criar em torno da cidade”.

Em fevereiro, centenas de colecionadores vão testemunhar a variedade de arte africana em exibição, enquanto descem sobre Macaal (Museu de Arte africana Contemporânea Al Maaden) e as terras exuberantes de La Mamounia, o hotel de cinco estrelas onde a feira 1:54 ocorre, de 24 a 25 de fevereiro.