Natureza e ficção são o centro de uma colectânea de fotos do colectivo brasileiro Worldgeometric, cujas imagens foram captados por Mariah Luiza e Deivison Souza, inspiradas no afrofuturismo. Nesta obra, a beleza da mulher é exaltada ao máximo através da herança negra.

As modelos Mayara, Suelen Matos e Juliana Souza canalizam a realeza da herança africana, como povo da diáspora, vestindo coroas de missangas, nós Bantu, rostos pintados e a ligação com a terra e paisagem do continente, tal como os seus povos indígenas.

Com o projeto, as criativas querem abrir mentes e lançar questões sobre o status quo a partir de uma perspectiva que talvez nunca tenhamos considerado. “Embora o afrofuturismo seja um conceito de há muito tempo, é novo para muitos brasileiros negros. Este projeto é apenas o começo da nossa procura por algo maior”, explicaram os criadores do projeto ao Afropunk.

As peças usadas na série de fotografias são de Yann Yimo e Teddy Tchogniou, e as mdoelos foram dirigidas por Micheli Carolina e Débora Carol.