Lyra Aoko é uma jovem queniana fotógrafa, cinegrafista e blogger de estilo de vida. Num dos seus mais recentes trabalhos, intitulado Project RED, a fotógrafa usou o vermelho numa brutal experiência visual onde se explora a feminilidade.

Através da presença constante da cor e da inclusão de prosa poderosa de mulheres como Kathleen Hanna, da Riot Grrl, e Dominique Christina, Lyra oferece uma visão impressionante das complexidades e semelhanças globais encontradas na experiência da feminilidade – da menstruação e da raiva ao género e amor.

Lyra começou a fotografar a partir do terceiro ano de Jornalismo. “Na verdade, eu sempre preferi estar na frente da câmera, e não atrás dela, mas tudo isso mudou durante o meu terceiro ano na universidade como estudante de jornalismo. Desenvolvi um grande interesse em fotografia, e a experiência não só tornou-me capaz de me expressar de uma forma mais criativa, mas também ajudou-me na minha interação com uma variedade de pessoas de diferentes origens “, disse entrevista ao Design Indaba.

O que a fotógrafa autodidata diz mais gostar de capturar é beleza, emoções e pessoas. Nas suas palavras descreve que a fotografia é poderosa porque pode roubar um momento inestimável no tempo com uma câmera e mantê-la consigo para sempre.

Sobre o projeto RED, surgiu quando se apercebeu que a cor chamava a sua atenção mais do que o normal durante um período de tempo.

“O vermelho é uma cor muito ousada. A cor da energia, paixão e ação e tem tantos significados positivos e negativos associados. Para mim significa perigo, amor, raiva, aviso, beleza em lábios deliciosos. É a cor mais intrigante de todas e escolhi explorá-la através de um conjunto de visuais com os quais eu poderia me identificar como mulher. ”

Vê o trabalho de Lyra Aoko abaixo.