Novos lançamentos ou disponíveis na Netflix já há algum tempo, estes são os cinco melhores documentários que podes ver na plataforma de streaming. Aproveita enquanto o fim-de-semana ainda não acabou.

Ícaro

Apaixonado pelo ciclismo, o diretor Bryan Fogel sentiu-se traído quando Lance Armstrong admitiu usar doping. Desta ferida nasceu o desejo do cineasta provar que o sistema anti-doping na altura era uma piada. Fogel então tomou uma decisão radical: praticar para participar em competições amadoras. Surge entretanto o contacto com Dr. Grigory Rodchenkov, o homem à frente da principal agência anti-doping da Rússia, que se transforma num denunciante e revela um dos maiores escândalos da história do desporto profissional. A película recebeu o Oscar de Melhor Documentário, no início deste ano.

Wild Wild Country 

A história contada pelos irmãos Chapman e Maclain Way em Wild Wild Country é dificilmente crível. Esta série de documentários retorna à controversa instalação de uma seita criada por um guru indiano (Bhagwan Rajneesh) em Oregon, EUA, na década de 1980. Fraudes de imigração, orgias, envenenamento, escutas telefónicas, atentados, tentativas de assassinatos… Wild Wild Country descreve o conflito entre os locais e membros do culto, bem como a luta das autoridades para desalojar o seu líder. Altamente documentado, a série aumenta de intensidade e interesse no decorrer dos episódios e dá a palavra aos vários atores deste estranho e controverso período que marcou para sempre a pequena cidade de Antelope e continua a inspirar os seguidores do guru apelidado de “Osho” em todo o mundo.

Voyeur

“Eles não me podiam ouvir, eles não me podiam ver. Isso era exatamente o que eu queria.” Mais do que contar a história perturbadora de Gerald Foos, um homem que comprou um motel nos Estados Unidos na década de 1980 com o único propósito de ver os clientes fazendo amor ou a masturbarem-se, Voyeur descreve as dificuldades que conheceu Gay Talese, pioneiro do “Novo Jornalismo”, para contar os fatos, desvincular a verdade do falso e analisar o comportamento desse arquétipo “arrepiante”. Foos revelou sua identidade ao escritor 35 anos depois de escrever a sua primeira carta. O lançamento do Voyeur Motel (2016) criou polémica e questionou a integridade de Gay Talese. O documentário confronta o jornalista com o voyeur e empurra os dois homens contra os seus limites

The Defiant Ones

Disponível na Netflix desde o final de março, The Defiant Ones regressa ao momento da criação da Interscope por um produtor de rock, Jimmy lovine, e um jovem pioneiro do rap gangsta, Dr. Dre. Uma parceria inovadora e improvável que marcou a história do rap e da música. O documentário dá voz aos rappers Nas, Snoop Dogg e Ice Cube, mas também Bruce Springsteen ou Bono. Dirigido por Allen Hughes, os 4 episódios de The Defiant Ones enfatizam a complementaridade da dupla e a sua determinação em desenvolver o gangsta rap.

Jim e Andy

Filmado durante a rodagem de Man on the Moon (1999), no filme biográfico dirigido por Milos Forma, Jim Carrey interpreta o seu ídolo, o cómico anarquista Andy Kaufman. O documentário de Chris Smith oferece uma reflexão sobre a profissão de ator e sobre a fronteira entre realidade e ficção. “Quando soube que tinha o papel, estava a olhar para o oceano e foi quando Andy ‘voltou’ para fazer o seu filme”, diz Jim Carrey. Tudo o que aconteceu depois disso não é responsabilidade minha.”. Neste documentário tão fascinante quanto alucinante, Jim e Andy mostram que Jim Carrey convenceu-se a se tornar Andy Kaufman. A interpretação radical do ator interrompe as filmagens, incomoda o diretor e os outros atores, ao mesmo tempo em que consegue comover os parentes do comediante que morreu em 1984.