A Puma entregou a sua licença de criação, desenvolvimento e distribuição dos seus relógios e wearables à norte-americana Fossil. O acordo vai durar até 2028 e os primeiros relógios Puma criados pela Fossil estarão disponíveis no próximo ano em grandes armazéns selecionados, retalhistas especializados e online.

“O tempo faz ou destrói atletas e é por isso que o parceiro certo para relógios e wearables é particularmente importante para a nossa marca. Temos o prazer de trabalhar em parceria com o Fossil Group, cujo forte foco em inovação nos ajudará a fabricar produtos que atendam às necessidades de nossos consumidores e dos atletas mais rápidos do mundo”, disse Bjørn Gulden, CEO da marca alemã.

A empresa de artigos desportivos registou no primeiro trimestre deste ano uma receita de 1,13 mil milhões de euros, o que aponta um crescimento de 12,5%.

A Fossil, que possui 17 marcas no seu portfólio de licenças (entre elas Armani Exchange, Diesel e Kate Spade), além das suas marcas próprias Fossil e Misfit, viu as suas vendas caírem 14% no ano fiscal de 2017, para 2,78 mil milhões de dólares. No segmento de relógios, o grupo norte-americano gerou uma receita de 2,19 mil milhões de dólares, uma queda de 6%.