A African Innovation Foundation (AIF) em colaboração com o Governo do Ruanda anunciou que o Ruanda irá ser o anfitrião da 7.ª edição do Prémio de Inovação para África (IPA).

Com o objetivo de mostrar o engenho africano e reconhecer e ligar os inovadores e empreendedores africanos aos principais facilitadores dos ecossistemas de inovação, a 7.ª edição do IPA será realizada de 11 a 12 de outubro de 2018, no Centro de Convenções de Kigali, no Ruanda. A decisão de acolher o IPA no Ruanda recebeu a aprovação do Governo do Ruanda, e a escolha do país anfitrião recaiu na proposta apresentada pelo Governo Ruandês ao sublinhar o compromisso em construir uma economia baseada no conhecimento, promovendo a inovação e o empreendedorismo.

Comentando o evento, Jean de Dieu Rurangirwa, Ministro das Tecnologias de Informação e Comunicação do Ruanda, afirmou que é uma “grande honra para o país receber o IPA 2018” e sublinhou o esforço feito pelo Governo do Ruanda no sentido de adoptar soluções inovadoras para os problemas do país.
“Estamos muito felizes em receber o Prémio de Inovação para África 2018. Saudamos o trabalho do IPA ao enfrentar os desafios do continente através da inovação. A mensagem do IPA atravessa gerações e desenvolve mentalidades que são apaixonadas pela elevação de África. Tal evento põe em destaque o engenho africano. Estamos impacientes por acolher estas mentes brilhantes.”

A adoção estratégica e ampla das TIC pelo Ruanda, que impulsionou a nação para o crescimento socioeconómico, torna o país anfitrião ideal para o IPA 2018. A visão do governo para 2020 é transformar o Ruanda numa economia autoconfiante e baseada no conhecimento, e mudar o seu estatuto no sentido de se tornar um país de rendimento médio-alto a elevado. Com o objetivo de se tornar um importante centro de inovação e tecnologia no continente, o Ruanda é pioneiro na implementação da tecnologia Smart City para melhorar os estilos de vida e a sustentabilidade social dos seus cidadãos. Os centros tecnológicos têm desempenhado um papel importante no ecossistema de inovação do Ruanda, oferecendo ambientes favoráveis à inovação para jovens ruandeses com ideias de negócios. Estes centros visam apoiar uma nova geração de empreendedores ruandeses que irão criar empregos e contribuir para a economia.

Além disso, o Governo do Ruanda está empenhado em aumentar a concorrência no continente para promover a inovação, estimular a criação de emprego e promover o crescimento económico inclusivo.

Comentando sobre a parceria com o Governo de Ruanda, o Presidente do Conselho de Adminsitração da AIF, Walter Fust, disse: “Recentemente, o Ruanda emergiu como uma das economias mais inovadoras de África, no topo das classificações em termos de capacidade científica, tecnológica e de inovação (CTI). O objetivo do governo de atrair um bilhão de USD em investimentos em TIC até 2020, apoiado por marcos importantes como a Kigali Innovation City, é um reflexo do seu compromisso no sentido da transformação digital. Os esforços do Ruanda para apoiar a inovação e promover sectores de alta tecnologia, como as TIC e as ciências da vida, são realmente louváveis. Temos orgulho em nos associarmos ao Governo do Ruanda para acolher o IPA 2018 e esperamos colaborar com os inovadores e facilitadores de inovação ruandeses na sua missão de se tornarem uma economia do conhecimento liderada pela inovação.”

Aumento dos esforços pan-africanos para investir em ecossistemas de inovação inclusivos
Nos últimos seis anos, a AIF estabeleceu parcerias com facilitadores de inovação e governos no Botsuana, Etiópia, Gana, Marrocos, Nigéria e África do Sul para acolherem o Prémio de Inovação para África. Juntamente com os seus parceiros, a AIF fez grandes progressos no fortalecimento dos ecossistemas de inovação africanos através de programas colaborativos e parcerias estratégicas que visam libertar o potencial dos inovadores africanos. Hoje, a AIF conta com uma rede de mais de 9.400 inovadores africanos em 55 países e mais de 400 facilitadores de inovação. O impacto do IPA é ilustrado pelo facto de ter gerado mais de 30 milhões de USD em investimentos para inovadores africanos e por vencedores/nomeados anteriores terem alcançado marcos louváveis, beneficiando não só eles próprios, mas também as suas comunidades.