O controverso e polémico jornalista e activista angolano Rafael Marques foi o vencedor do prémio WorldPressFreedomHero 2018 (Herói Mundial da Liberdade de Imprensa 2018), revelou o Instituto Internacional da Imprensa (IPI).

O galardão será entregue numa cerimónia a 22 de Junho em Abuja, na Nigéria.
“Apesar da repressão sistemática dos meios independentes em Angola, Rafael Marques tem conseguido – correndo grande risco pessoal – fazer incidir uma luz no abuso de poder ao nível mais elevado com coragem e persistência”, lê-se num comunicado enviado às redacções.

O jornalista foi elogiado pelo trabalho de investigação que desenvolve em nome da liberdade de imprensa, apesar de todos os obstáculos políticos e sociais que vai enfrentando em Angola.

O activista, de 46 anos, iniciou a carreira no jornalismo no Jornal de Angola. Passou depois a escrever em vários jornais independentes e criou o site Maka Angola, onde denuncia a corrupção e os abusos de direitos humanos.

Rafael Marques, autor do livro “Diamantes de Sangue: Corrupção e Tortura em Angola” é o primeiro cidadão do país a receber o prémio, já entregue a dois jornalistas lusófonos – o português Nuno Rocha e o brasileiro Júlio de Mesquita Neto.

O prémio Herói Mundial da Liberdade de Imprensa destaca todos os anos personalidades que contribuem de forma significativa para a promoção da liberdade de imprensa.