África hoje é um continente que emerge de um sono pesado. Sempre foi dinâmica, bonita, majestosa e inovadora. Só se esqueceu disso. Então, impulsionada pela sua juventude e sua importante diáspora, ela rescreve agora histórias de sucesso, inovações digitais, oportunidades para todos. É a terra prometida, sempre foi…

Jacquiline Ngo Mpii, Fundadora da Little Africa Paris

Ser “Pro-Black” não quer dizer que somos contra nada… Muito pelo contrário, quer dizer que somos a favor da igualdade visto que é de conhecimento da maioria que nem sempre fomos tratados com igualdade… Eu não deitaria fora o livro mas acredito numa nova página. Acredito numa nova oportunidade de ver África a não ser olhada como cobaia para experiências desumanas. Uma África que não é só vista como o cofre dos recursos naturais… Para além do petróleo temos pessoas também. Nós não fazemos arte, a maior parte de nós respira arte…

Prodígio, Músico

“África é a juventude do mundo, com uma população que deve dobrar em 20 anos.”

Jacques Torregrossa, Diretor de Negócios

Hoje e sempre será dia de África, esse continente fecundo que viu nascer as nossas avós e seus ancestrais. É importante pensar e recordar o terreno africano com brilho nos olhos e determinação visando gerar condições para dignificar a sua gente, os nossos recursos naturais, as tradições dos ancestrais, as culturas de matriz africana das diversas regiões e sobretudo celebrar a africanitude em cada um de nós, em todo o mundo, sempre.

Welket Bungé, Ator

Pensar África. Na dificuldade de definir aquele que é hoje o meu continente-casa, procurei palavras para descrever outros continentes como a Ásia, a América, a Oceania ou a minha Europa. No processo, concluo que reflectir sobre África é africar. É movimento.
Das laranjas das praças do norte de Marraquexe até aos pinguins da Cidade do Cabo, com a possibilidade de escolher entre o café etíope a oriente ou preferir o santomense no ocidente do continente.
África é isso mesmo: um lugar cuja definição dificilmente encontra léxico suficiente. Qualquer sentido fica em alerta: na humidade de Luanda, no vento do Sal, no calor de Tete. No sabor da castanha caju que tanto pode ter vindo de Bissau ou de Xai-xai. Um africar que se mexe no funaná, no semba ou na marrabenta.
Em África tudo é possível . Com África tudo será possivel.
É, aos olhos de muitos, uma espécie de país homogéneo inconsistente.
Dá trabalho definir o continente africano exactamente pela sua riqueza de sentidos, pela diversidade e pela heterogenidade de um lugar que consegue ter todas as cores, todos os sons e todos os sabores. O melhor mesmo é africar.

Eliana Silva, Relações Públicas

A tecnologia tem contribuído bastante para o crescimento económico de África, criando novas oportunidades de emprego que nunca existiram.

A adoção da tecnologia em África transforma duas premissas comuns de dentro para fora, as inovações tecnológicas acontecem nos países ricos, e África precisa de serviços básicos antes de poder usar soluções de alta tecnologia. O que as novas empresas em África estão a tentar implementar é o uso da tecnologia para construir estes serviços básicos.

Em África, como em qualquer outro lugar do mundo, a tecnologia está a melhorar a vida das pessoas com os serviços de aplicativos móveis. Com uma infraestrutura mínima de telefonia fixa, o continente abraçou a oportunidade de ultrapassar as tecnologias existentes, tornando-se líder mundial na prestação de tais serviços.

Como a Tupuca por exemplo, criada para facilitar o acesso de produtos alimentares, desenvolvido por africanos para os africanos, além de ajudar muitos a progredir, fornecendo informações acessíveis sobre saúde e até vagas de empregos.

Wilson Ganga, Fundador da Tupuca