Sabe tudo sobre o NOS Primavera Sound 2018, aqui

Até ao próximo ano, Porto! E acabou no dia de ontem, o Nos Primavera Sound 2018. Começou com uma despedida, porque o que é bom acaba rápido, e não, não é tarde para escrever sobre o festival, a BANTUMEN teve primeiro de descansar, cause IT WAS LIT.

O Parque da Cidade, no Porto, Portugal, foi mais uma vez o palco dos concertos mais dançantes, loucos, e chuvosos do Nos Primavera Sound 2018. Esta edição, segundo os presentes foi das melhores, estiveram no recinto uma média de 30.000 pessoas, de 60 países diferentes, batendo o recorde de 100 mil visitantes, divulgou a organização.

Mas, passemos ao que interessa, os concertos. Como já referi acima, foram concertos carregados de alma e dançantes, ninguém ficou com os pés no chão. Um dia antes de começar o festival, a festa começou com um concerto grátis do DJ britânico Fatboy Slim na Avenida dos Aliados, no Porto, só mesmo para aquecer o corpo.

O festival tinha tudo para dar certo, com grandes nomes no cartaz, como Nick Cave, Lorde, The War On Drugs, Father John Misty, Arca, Mogwai, Jamie xx e Fever Ray. Mas DAMN., temos de dar crédito aos rappers afro-americanos Tyler, The Creator, A$AP Rocky e Vince Staples.

Começamos o primeiro dia com Tyler, The M*thaf*ckin Creator. Ele foi tudo, menos uma flor (Flower Boy), entrou em palco de uma forma tímida, acenando ao público, vestido com um colete de sinalização amarelo e calções da mesma cor e de repente boom, começou o espetáculo com uma energia que parecia ter renascido nele. “I fucking hate you/But I love you”, cantou o rapper nascido em Los Angeles, e fez com que os seus fãs cantassem também, o repertório foi o álbum (Scum Fuck) Flower Boy e Tyler acabou com um “Obrigado, Portugal. Foi fantástico”.

From Compton to the world, veio Vince Staples, que entrou em palco com o seu mais recente tema “Get the Fuck Off My Dick”, que fez acordar o público no segundo dia do festival. A indumentária foi o habitual dos seus concertos, mas com uma pequena curiosidade, parecia ter vestido um colete à prova de balas, mas fora isso, Vince contagiou o público com uma mistura muito própria de batidas e rimas de rap com beats eletrónicos. Não ficou aquém do esperado, ultrapassou as expectativas e não desiludiu, fez jus a Compton, a cidade de Kendrick Lamar, Ice Cube, Dr. Dre, Eazy E, DJ Mustard e dos N.W.A.

Para acabar em grande, o público entrou em delírio com A$AP Rocky, cabeça de cartaz e dos rappers mais aguardados no palco NOS. Com umas baggy jeans amarelas que se notavam ao longe e um hoodie preto (que mais tarde acabou por tirar) Rocky deu início ao concerto com Testing o seu mais novo álbum, cantando “Distorted Records” e depois o single “A$AP Forever” e “Kids Turned Out Fine”, sem esquecer “Praise The Lord (Da Shine)” onde pôs o público ao rubro e de que maneira. Para acalmar o pessoal e baixar o hype, uma das músicas escolhidas foi “L$D”. Não há nada a apontar quanto ao show dado por A$AP, ele pôs definitivamente Nova Iorque, no mapa.

O último dia foi de chuva, mas nem isso parou os festivaleiros de curtir. Dia que ficou marcado pelos concertos de Nick Cave & The Bad Seeds, Public Service Broadcasting, Mogwai e The War on Drugs.

E não podemos esquecer o concerto emotivo de Kelela no palco Super Bock, ao final da tarde. A cantora afro-americana de ascendência etíope, ficou surpreendida com a recepção calorosa num dia de chuva pelos portugueses e não só. Entre lágrimas confessou que “nunca tinha estado no Porto, portanto não imaginava quantas pessoas poderiam gostar da minha música aqui. Não esperávamos isto. Sinto muita gratidão. Obrigado.”

Em 2019, Primavera Sound vai acontecer nos dias 6, 7 e 8 de junho.

Wilds Gomes

Sou um tipo fora do vulgar, tal e qual o meu nome. Vivo num caos organizado entre o Ethos, Pathos e Logos - coisas que aprendi no curso de Comunicação e Jornalismo. Do Calulu de São Tomé a Cachupa de Cabo-Verde, tenho as raízes lusófonas bem vincadas. Sou tudo e um pouco, e de tudo escrevo, afinal tudo é possível quando se escreve.