Festival Iminente 2018: Um cartaz mais forte e um local diferente

Depois da sua primeira edição em 2016 nos Jardins Municipais de Oeiras, o festival Iminente tem ganho alguma popularidade entre os festivaleiros urbanos, facto confirmado  na segunda edição, em 2017, onde a música e a arte andaram de mãos dadas.

O festival Iminente conta com curadoria de Vhils, da plataforma Underdogs, e das editoras Enchufada, Príncipe e Versus, numa parceria conjunta com a Câmara Municipal de Lisboa.

O cartaz deste ano já está pronto assim como um novo local foi escolhido. De acordo com a organização, este novo local é “provavelmente um dos sítios mais incríveis no mundo para se fazer um festival”, falamos do Panorâmico de Monsanto, no Parque Florestal de Monsanto.

Em tempos, o espaço foi um restaurante, “Restaurante Panorâmico de Monsanto”, e mais tarde o edifício transformou-se numa discoteca, num bingo, num escritório de uma empresa de filmagens e até num armazém de materiais de construção civil. Em 2001 fechou definitivamente. Hoje, tornou-se num local abandonado que delicia as lentes e objectivas das câmaras fotográficas de quem por lá passa.

O novo local do festival é carregado de histórias e memórias. O que acaba por justificar o novo preço do bilhete que passa a custar agora dez euros em vez de seis como nas edições passadas.

Podes comprar o bilhete a partir das 16 horas de dia 4 de Setembro, que te dá acesso aos três dias de festival, 21,21 e 23 de Setembro. O cartaz conta com artistas internacionais e nacionais como: DJ Maseo, dos De La Soul, e o rapper Havoc dos Mobb Deep, o cantor angolano Bonga, o músico sírio Omar Suleymane os portugueses Conan Osíris, Octa Push, Keso, Valete, Gisela João, Fogo Fogo, Norberto Lobo, Sara Tavares, Napoleão Mira, Carlão, Nídia, DJ Glue e Marta Ren & The Groovelvets entre outros.

O acesso ao panorâmico não é dos mais fáceis e só poderá ser feito de transportes, a pé ou de bicicleta, uma vez que não é permitida a circulação de automóveis. Em parceria com a Carris, o acesso ao Festival Iminente será feito através de ligações especiais.

Wilds Gomes

Sou um tipo fora do vulgar, tal e qual o meu nome. Vivo num caos organizado entre o Ethos, Pathos e Logos - coisas que aprendi no curso de Comunicação e Jornalismo. Do Calulu de São Tomé a Cachupa de Cabo-Verde, tenho as raízes lusófonas bem vincadas. Sou tudo e um pouco, e de tudo escrevo, afinal tudo é possível quando se escreve.