Iddris Sandu vive em Los Angeles,  tem 21 e é o guru da tecnologia não convencional que realizou muitos feitos incríveis, incluindo ser responsável por algoritmos que fizeram do Uber, Instagram e Snapchat o que são hoje.

Aos 16, Sandu desenvolveu um software para dispositivos móveis que mais tarde atrairia a atenção do ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama, que lhe atribuiu o prémio escolar presidencial honorário.

O jovem engenheiro de software considera-se um “arquiteto cultural” e diz que pretende “nivelar o campo de atuação” entre o Sillicon Valley e os jovens da comunidade negra.
Nascido e criado em Harbour City, na Califórnia, pelos pais de origem ganesa, Sandu nunca esqueceu uma experiência angustiante que teve quando tinha oito anos: o pai queria levá-lo a conhecer o Gana.

 

Voir cette publication sur Instagram

 

Une publication partagée par architect (@iddrissandu) le

“Mas no quarto dia da viagem, ele abandonou-me, pegou no meu passaporte e voltou para os Estados Unidos”, disse Sandu ao Music and Style Magazine da Universidade de Oxford, acrescentando que foi abandonado por quase nove meses antes de entrar em contato com uma ONG que o ajudou a viajar de volta para casa.

O jovem voltou aos EUA quando o primeiro iPhone foi revelado, o que deu início à sua jornada no mundo da tecnologia.

“Eu pensei – este dispositivo vai mudar o mundo. A razão pela qual o iPhone era tão importante foi porque foi a primeira vez que consumidores puderam desenvolver, criar, para outros consumidores regulares. Antes, precisavas trabalhar numa empresa de tecnologia durante vários anos para poderes criar um aplicativo. Mas a Apple fez isso tão mainstream. Eu sabia que era o futuro ”, disse ele.

Com apenas 10 anos, Sandu começou a aprender programação por conta própria numa biblioteca pública e foi assim que foi descoberto por um designer do Google, que lhe ofereceu uma oportunidade de estágio na sede da empresa.

Aos 13 anos, teve a sua primeira experiência com programação e trabalhou em vários projetos, como o blogger inicial do Google, o Google Plus, entre outros.

Aos 15 anos, projetou um aplicativo para o ensino médio que dava aos alunos a oportunidade de orientar as suas aulas.

Sendo a única escola na Califórnia que teve um aplicativo feito por um estudante, Sandu recebeu grande aclamação que mais tarde lhe proporcionaria uma reunião com o ex-presidente Obama.

Durante esse mesmo período, Sandu escreveu um algoritmo que ele venderia para o Instagram e, aos 18 anos, já estava a prestar consultoria para o Snapchat antes de chegar à Uber, onde criou o software Autonomous Collision Detection Interface.

“Devemos ser capazes de pensar num nível mais alto, em vez de sermos estritamente consumidores. E os negros em particular são mais propensos a serem consumidores do que criadores. É realmente difícil sair da pobreza ou mudar a estrutura do poder económico se fores sempre um consumidor em vez de criador. Mudar essa narrativa é o que eu tenho tentado fazer. E até agora, funcionou.”

Em 2017, Sandu conheceu o rapper Nipsey Hussle num Starbucks local e, em três semanas, transformaram uma loja abandonada em Los Angeles na Marathon Clothing Store.

A loja inteligente oferece música exclusiva e outros conteúdos para os clientes que baixarem um aplicativo, explica o The New York Times.

A loja alavancou o histórico de tecnologia e design de Iddris e as influências culturais de Nipsey, despertando o interesse de muitos jornalistas, além de ícones culturais e de hip hop, como Russell Westbrook, Vegas Jones, da Roc Nation, entre outros.

Numa entrevista à CNBC, Sandu disse que a loja o ajudou a preencher a lacuna entre cultura e tecnologia, e gostaria que outros fizessem o mesmo.

“Estamos a viver uma revolução digital”, disse. Embora “todos nos exponhamos constantemente ao conteúdo em tempo real, precisamos abordar os maiores problemas que afetam as comunidades e construir infra-estruturas”.

O jovem fez entretanto uma parceria com Kanye West e Jaden Smith em alguns negócios, linhas de vestuário, entre outros, que devem ser lançados em 2019, de acordo com a CNBC.