É sabido que os acordos comerciais entre a América do Norte e a Ásia têm estado instáveis, desde a comercialização de produtos à fabricação dos mesmos. No seguimento dessa instabilidade, o presidente da Apple manifestou-se “muito otimista” num possível acordo entre os EUA e a China.

Tim Cook acredita na mais valia das negociações para um acordo comercial entre Estados Unidos da América e China, afirmando ser a favor “dos melhores interesses” para os dois países.

Numa entrevista à cadeia norte-americana CNBC, o líder da tecnológica definiu como “muito complexo” o pacto e considerou “temporária” a debilidade económica da China, relacionada com as turbulências comerciais.

A Apple fabrica os seus produtos na China e para Tim “o tratado será bom não só para nós, como também o será para o mundo em geral. O mundo precisa de uma economia forte nos Estados Unidos e China para que a mundial também o seja”.

O ano de 2018 não foi melhor para a tecnologia de Cupertino, os novos lançamentos do iPhone não venderam tanto como o esperado. Na semana passada, a Apple reviu em baixa as expectativas dos resultados no primeiro trimestre do seu ano fiscal, apontando a debilidade do mercado chinês como uma das razões.

Com cada vez menos vendas mesmo com a maior cota do mercado, Tim Cook criticou ainda aqueles que têm “desvalorizado” a filosofia de novos produtos e serviços da Apple.

“Na minha honesta opinião existe uma cultura de inovação na Apple que, combinada com alguns clientes incríveis e leais, consumidores felizes, este virtuoso sistema está provavelmente desvalorizado”, concluiu.