A marca italiana Gucci anunciou que está a fazer um grande esforço para aumentar a contratação de diversidade como parte de um plano de longo prazo para aumentar a conscientização cultural na empresa de moda de luxo, após a polémica camisola de 890 dólares.

A Gucci também disse que vai contratar um diretor global para diversidade e inclusão, um cargo recém-criado que será baseado em Nova Iorque, além de cinco novos designers de todo o mundo para seu escritório em Roma.

Também lançará programas de bolsas de estudo multiculturais em 10 cidades do mundo todo, com o objetivo de construir um “local de trabalho mais diversificado e inclusivo em uma base contínua”.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Gucci (@gucci) a

O anúncio foi feito depois que o CEO da Gucci, Marco Bizzarri, se encontrou no bairro de Harlem, em Nova Iorque, com Dapper Dan, um renomado designer afro-americano, e outros membros da comunidade para ouvir as suas perspectivas.

Dapper Dan, que colaborou com a Gucci em 2017 numa linha de roupas masculinas, emergiu como uma voz líder exigindo responsabilidade da Gucci em relação à polémica.

Bizzarri disse que a Gucci passou os últimos dias a conduzir uma “revisão completa das circunstâncias que levaram a isso” e consultando os funcionários e líderes comunitários afro-americanos sobre quais ações a empresa deveria tomar.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Michael Kusumadjaja (@kusumadjaja) a

“Sou particularmente grato a Dapper Dan pelo papel que desempenhou ao trazer líderes comunitários para nos oferecer os seus conselhos neste momento”, disse Bizzarri em comunicado.

No início da sexta-feira, Dapper Dan twittou que os participantes da reunião “fizeram grandes exigências” da Gucci. Ele disse que iria anunciar uma reunião na prefeitura no Harlem “para que pudéssemos conversar sobre o que eles propuseram”.

Em maio, a Gucci disse que começará a conduzir sessões anuais de treinamento de preconceito inconsciente de um dia para os seus 18 mil funcionários em todo o mundo.

O programa de bolsas de estudo será lançado em Nova Iorque, na capital do Quénia, Nairóbi, Nova Délhi, Pequim, na cidade chinesa de Hangzhou, Seul, Tóquio, Beirute, Londres e Dubai, nos Emirados Árabes Unidos. A empresa descreveu-o como um programa acelerado de 12 meses que leva ao emprego em tempo integral.

A Gucci pediu desculpas pela camisola, que o diretor de criação Alessandro Michele disse não ter sido inspirado pelo blackface, mas pelo falecido Leigh Bowery, um artista performático, promotor de clubes e designer de moda que costumava usar roupas e trajes extravagantes.

“Estou ansioso para receber novas perspectivas para a minha equipa e, juntos, trabalhar ainda mais para a Gucci representar uma voz para a inclusão”, disse Michele em comunicado na sexta-feira.