Como começar a primeira edição dos Play? Com muita música e dança à mistura. E foi assim que as apresentadoras Filomena Cautela e Inês Lopes Gonçalves deram o ar da sua graça, dançando. E começou a festa, onde se celebrou a música feita em português que atravessa fronteiras, de Portugal para o mundo.

Cada categoria e os seus respetivos vencedores foram apresentados por duplas como as cantores Sónia Tavares e Ana Bacalhau, as actrizes Oceana Basílio e Isabela Valadeiro, escritores, como José Luís Peixoto, Youtubers e até políticos, como a vereadora da Cultura da Câmara de Lisboa, Catarina Vaz Pinto, o ministro da Cultura de Cabo Verde, Abraão Vicente, e a ministra da Cultura portuguesa, Graça Fonseca, que entregou o Prémio Carreira.

Raquel Tavares e Valas abriram o palco com uma música feita por ambos, “Estrelas no Céu”, e o tema fez com que o público cantasse e partilhasse da mesma energia.

Dino D’Santiago foi ao palco receber três prémios das 12 categorias, de Melhor Artista Solo, de Melhor Álbum e Prémio da Critica com “Mundo Nôbu”.

Falamos com Dino antes de receber os prémios e em exclusivo disse que os PLAY “é uma iniciativa de se louvar. Portugal ja merecia um reconhecimento musical desta dimensão. É bonito ver a casa cheia de músicos portugueses que admiras. Quando idealizei o álbum, o sonho maior era este juntamente com o Kalaf e Seije, que as pessoas entendessem a nossa proposta. Que vai além da música cantada em português ou em crioulo, é uma união que transporta o tradicional ao mais contemporâneo, tratada com a elegância merecida. A vitória maior seria que as pessoas se inspirassem em mim. Ganhar esses prémios seria muito bonito”.

Já Profjam nomeado para “Melhor Canção”, que acabou por perder para Valas, deu água de côco a quem tivesse sede no Coliseu dos Recreios, e mesmo quem não tivesse, ficou saciado. 

A noite mal tinha começado, embora parecesse tarde ainda não eram quatro da manhã, e os Wet Bed Gang fizeram questão de dar o recado em palco e informar que a essa hora estavam presentes onde quer que fosse.

Chegava a vez de Matias Damásio subir ao palco para receber uma estatueta. “À minha avó, a todos os amigos da Lusofonia, e de Moçambique, que estão a passar por uma situação muito delicada” agradeceu assim o artista pelo Prémio Lusofonia. 

A cerimónia incluiu também atuações de Amor Electro, Virgul, Jorge Palma e Sérgio Godinho e Expensive Soul.

Para além dos grandes artistas nomeados na categoria “Artista Revelação”, Conan Osiris foi quem levou o prémio para casa. O artista que vai representar Portugal na EuroVisão falou em exclusivo para a BANTUMEN: “Já faltava isso em Portugal, é algo fresco. Se alguém achou que eu fosse útil e fixe o suficiente para estar nesta categoria, sinto-me honrado. Não tinha noção que a minha música pudesse chegar a tanta gente. Às vezes as músicas que faço têm base num sentimento, numa ideia, num poema ou beat, as coisas vêm por várias vias”. No seu discurso de agradecimento o artista lançou a frase: “Aceitem todos como me aceitaram a mim, ya?”. 

Para além de ser o primeiro rapper a ganhar um Pulitzer, Kedrick Lamar foi o primeiro artista internacional a receber dois prémios Play.
“Melhor Canção Internacional”, com SZA e “Melhor Artista Internacional”.

Falamos ainda com a nomeada para “Artista Revelação” Selma Uamusse, que apesar de não ter ganho, mostrou uma satisfação grande pelo reconhecimento demonstrado ao seu trabalho musical. “Fico muito feliz pela diversificação dos Play, pois é um retrato fiel daquilo que é musica feita em Portugal(…)podemos estar todos muitos contentes por termos essa mancha tão bonita de várias cores aqui. Nesta primeira edição fico muito feliz pelas pessoas terem recebido tão bem o meu trabalho, com uma marca especial de Moçambique, trazer o nome do meu país, não pelas desgraças mas pelo lado bom, pelo feminismo, pelo empreendedorismo, pelo trabalho de arte e estética e eu tento fazer um pouco a minha função nesse lado.”

Os prémios Play regressam em 2020. Abaixo podes ver a lista completa dos vencedores:

Melhor Grupo

Dead Combo

Melhor Artista Solo

Dino D’Santiago

Melhor Álbum

“Mundo Nôbu”, Dino D’Santiago

Melhor Vídeo

“Amor em Tempo de Muros” com Lila Downs, Pedro Abrunhosa

Prémio Lusofonia

“Nada Mudou”, Matias Damásio

Prémio da Crítica

“Mundo Nôbu”, Dino D’Santiago

Prémio Revelação

Conan Osiris

Melhor Álbum Fado

“Maria”, Carminho

Melhor Artista Internacional

Kendrick Lamar

Melhor Canção Internacional

“All the stars” (with SZA), Kendrick Lamar

Vodafone Melhor Canção

“Estradas no Céu”, de Valas com Raquel Tavares