O álbum Depois da Meia Noite, lançado anteriormente em formato online pela banda Kishi, está a ser editado e distribuído pelas editoras, CUBE Records e Nightfear Records em parceria com os Kishi.

A banda angolana Kishi, que dedica uma especial atenção ao stoner rock, género musical que mistura elementos de hard rock, heavy metal, rock psicodélico, grunge entre outros, feito em Angola, anunciou ter criado parceria com estas duas produtoras, a angolana Cube Records e a portuguesa Nightfear. O objetivo é dinamizar a distribuição nos formatos físicos e digitais, do seu primeiro album intitulado Depois da Meia Noite, que está recheado de uma tonalidade super criativa e batidas super stoner rock.

Banda Kishi

As oito canções de Depois da Meia Noite proporcionam ao ouvinte uma jornada pelas texturas sonoras densas de variados subgéneros do rock e do metal. As artes de capa inspiradas em contos de terror, lendas urbanas angolanas, conflitos existenciais e hedonismo “criam um ambiente estético que nos permite enfrentar as nossas próprias imperfeições. O que este álbum sugere é que nem sempre temos coragem de enfrentar nossos próprios pensamentos, mas, de alguma forma, as canções nos encaminham a outras percepções do mundo para mudarmos – ou apenas aceitarmos – os nossos modos de agir”.

O suporte físico de Depois da Meia Noite está disponível para pré-venda nos sites oficiais da Cube e da Nightfear Records e será distribuído em variadas lojas underground de Portugal, como Piranha e Bunker Store (Porto) e Glam.O.Rama (Lisboa).

Os rockers angolanos poderão adquirir os álbuns sob encomenda, os quais serão entregues ao domicílio, e nos concertos programados para os próximos meses. Para os rockers ao redor do globo, a Nightfear Records garante a entrega dos álbuns encomendados via correio.

A banda é formada pelo vocalista Manel Kavalera, o guitarrista Bruno Braz, o baixista Hugo Domingos e o baterista Yannick Merino. Os Kishi avisam que as pessoas não devem ouvir a sonoridade do grupo como apenas stoner rock. “É muito mais do que isso.”