Começamos a lista dos mais clicados da semana com Mansa Moussa, o homem mais rico de sempre na História da humanidade e que era africano. No segundolugar temos Kofi Kingston que tornou-se no primeiro africano a vencer o campeonato da WWE, na categoria de pesos-pesados. Em seguida ficou o artigo sobre o jovem escritor angolano Elizandro de Alfredo que quer chegar à Netflix, em quarto o concerto e novo álbum de Djodje e, por fim, os prémios Play com Dino a sagrar-se o grande vencedor desta primeira edição.

1.Quem foi Mansa Moussa, o homem mais rico da humanidade?

Se te perguntarem quem foi o homem mais rico do mundo, será que pensarias num africano? Provavelmente não. África é, demasiadas vezes, vista como um lugar exótico, de recursos naturais e pessoas pobres sem qualquer possibilidade de realizarem grandes feitos. É um erro. Um estereótipo.

2. Kofi Kingston é o primeiro lutador africano a ganhar um campeonato da WWE

Kofi “Kingston” Nahaje Sarkodie-Mensah nasceu em Ashanti, Gana, e tornou-se agora no primeiro africano a ganhar um campeonato da WWE, fazendo história no mundo da luta de entretenimento.

3. Elizandro Joel, o escritor prodigio angolano que quer chegar à Netflix

Elizandro Joel Soares de Alfredo, nascido em 1996 na angolana cidade portuária Porto Amboim, é um escritor que começa a ganhar notoriedade por causa do seu romance Realidades Camufladas, lançado no dia 14 de fevereiro de 2019 e que é a sua primeira obra literária.

4. Djodje estreia novo álbum “NewBorn” e esgota Campo Pequeno

Djodje escolheu o dia 6 de abril para estrear o seu novo álbum NewBorn com um concerto. Em forma de agradecimento, os fãs voltaram a esgotar um dos principais espaços de espectáculos na capital portuguesa para ouvirem o cabo-verdiano.

5. Prémios Play: Dino D’Santiago foi, obviamente, o grande vencedor

Como começar a primeira edição dos Play? Com muita música e dança à mistura. E foi assim que as apresentadoras Filomena Cautela e Inês Lopes Gonçalves deram o ar da sua graça, dançando. E começou a festa, onde se celebrou a música feita em português que atravessa fronteiras, de Portugal para o mundo.