Dibas ou D.B gravou a sua primeira música em 2006 quando tinha apenas 15 anos. Começou tudo no estúdio de um primo “distante”, uma faixa de festa produzida por Fábio Chapim, também um primo.

Agora com 28 anos de idade, após tantos anos, Dibas sente-se mais à vontade para fazer música, sente-se mais maduro musicalmente e “crescido” o suficiente para lançar o seu primeiro projecto musical.

“Bipolar” é um projecto que contém 15 faixas, com participações vocais de Skyline, Eman Gee, Dodge e Trippy. Nas produções surgem Alleny, Dez Wright, Strong Symphony, Wxlfsteath, King Zeus, Young Taylor e DJ Ritchelly como host.

O rapper nasceu em Luanda, no bairro do Cruzeiro, Ingombotas (um dos sete distritos urbanos que compõem o município de Luanda), onde viveu com a mãe após ter perdido o pai aos 13 anos.

Foi nesta mesma altura que passou interessar-se mais por música, o seu primo Andrey Seabra foi quem o influenciou a seguir esse caminho quando o introduziu ao EJay – um software lançado em 1997 para fazer instrumentais e arranjos musicais – e o Fruity Loops, e aí nasceu a produção pelas suas próprias mãos.

Dibas explicou em exclusivo para a BANTUMEN que o que lhe atraiu para o mundo do hip hop foi a possibilidade de poder abordar vários temas, e a capacidade de em cada verso “cuspir” 16 barras ou mais.

Com a sonoridade dos intrumentais que facilmente podem ser misturados com outros estilos sem que o mesmo perca a essência.

Durante está jornada musical com mais de dez anos, são varias as faixas soltas que fez, sendo as mais importantes as que trabalhou com o Fenómeno e o Dj NC.

Dentro do que se faz no rap em português , Dibas tem como influências os Kalibrados, Valete, Boss AC, Army Squad, NGA e Reptile. Quando falamos de do mercado internacional o rapper influência-se pelo Eminem, Drake Lil Wayne, J Cole, Kendrick Lamar entre outros.

Todos os artistas mencionados ajudaram a construir o seu estilo e personalidade, as suas musicas têm acompanhado a sua vida quer nos bons quer nos maus momentos do rapper.

Com esse projecto trago um flow diferente, uma forma de rimar diferente e com isso espero aumentar a competividade de modo a tornar o rap melhor.

DB explica que o projecto “Bipolar” tem o equilíbrio que muitas vezes falta nos outros. Acrescentou ainda que conseguiu montar um projecto “com diferentes temas com um pouco de love, skillz, story telling, critica e tchilos. Inclusive a sequência do projecto foi estruturado de maneira a que o ouvinte não se canse de o ouvir.

No momento o que mais importa para o rapper é afirmar-se e conquistar o seu público alvo, fazer videoclipes e lançar os projectos que tem vindo a preparar com outros rappers.

Todos que fazem Rap são concorrência, ate os meus amigos rappers.

Na era em que vivemos onde a primeira forma de distribuição de música passou a ser o digital, os números altos muitas vezes representam se o artista está a “bater” ou não.

“Num entanto, visto que a população angolana na sua maioria não tem acesso a internet podemos dizer que nem sempre é assim acrescentou o rapper