O cantor guineense Nautaran Sampa, de 29 anos, faleceu na madrugada desta quinta-feira, dia 13 de junho, vítima de doença prolongada.

“Diskulpam” – que tem mais de 120 mil visualizações no Youtube -, “Catchu Balanta”, “Mindjer”, “Saudades” são alguns dos êxitos do trabalho do artista que, para além da música, dedicou a sua vida ao ativismo social.

Nascido em Bissau, o antigo radialista da radio Voz de Quelelé licenciou-se em Gestão Informática em Dakar, onde lançou em 2016 o seu primeiro e único álbum a solo, intitulado “Um sonho”.

Atualmente, o jovem músico desempenhava o cargo de Diretor-executivo no Centro Cultural de Quelelé.

Na sua página oficial no Facebook, o poeta, cronista e ativista guineense Ussumane Grifom Camará lamentou a morte de “um talento enorme”.

“Um talento enorme que se foi tão jovem. Nautaran Sampa, meu amigo e irmão desde o comecinho do programa “Nova Geração” da Rádio Nossa e mais tarde, já na Rádio Voz de Quelele, a seu convite passei (por pouco tempo) como colaborador do “Ecos da Guiné” um belíssimo programa de poesia criado por Onésimo e meu mandjua da Seiva. Estou triste! Descansa em paz Comandante (como nos tratavamos), serás sempre lembrado pelo ser humano que foste e músico que nos encantou! Até um dia, irmão!”, escreveu o sociólogo.

Recorde-se ainda que o cantor – conhecido entre os seus pares como Nautas Sampa – atuou recentemente nos festivais de Pecixe e Buba.